Para além dos sentidos, do tempo e do espaço: o discurso de amor em duas formações discursivas

Autores

Palavras-chave:

Discurso de amor, formação discursiva, nonsense, amor eterno e infinito.

Resumo


Neste trabalho, tivemos por objetivo analisar fragmentos de canções em língua inglesa e em língua portuguesa a partir da noção-conceito de formação discursiva, oriunda da Análise de Discurso de linha francesa (AD). Como pressuposto teórico-metodológico,  consideramos o artigo Palavra de Amor, de Eni Orlandi (1990), como base de nossa pesquisa.  Os elementos linguísticos nos versos das canções You’re my number one, Por você e Stars, fragmentos 1 a 3, permitiram-nos afirmar que tais canções se fundamentam em uma mesma formação discursiva constituinte do discurso de amor, a do nonsense. Nelas há a transcendência do “fixado no todo dia” (ORLANDI, 1990) que se faz através das declarações e descrições de fatos impossíveis ou transcendentais, que extrapolam os limites do cotidiano, da linguagem em uso convencional e ordinário. Já os fragmentos 4 a 7 são  também provenientes de canções de autores, estilos e épocas distintos, mas fundamentadas em uma mesma formação discursiva, a do amor eterno e infinito.  Nas canções I will always love you,  Amor sem limite, Eu sei que vou te amar e Como é grande o meu amor por você o discurso de amor produz o  efeito de sentido de poder extrapolar os limites do tempo e do espaço, projetando-se para além do aqui e do agora. Como resultado geral da análise, concluímos que o conceito de formação discursiva, embora muito controverso ao longo da história da AD, ainda se faz bastante produtivo.

Biografia do Autor

Adelino Pereira dos Santos, Universidade do Estado da Bahia

Doutor em Letras. Professor Titular do Departamento de Ciências Humanas do Campus V da UNEB.

Lícia Maria Bahia Heine, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Letras. Professora Titular do Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia.

Referências

BARONAS, Roberto Leiser. Ainda sobre a noção-conceito de formação discursiva. In: BARONAS, Roberto Leiser. (Org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João, 2007. p. 169-181.

GADET. F; HAK, T. Por uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de Michel Pêcheux. 3 ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

GREGOLIN, Maria do Rosário Valencise. Formação discursiva, redes de memória e trajetos sociais de sentido: mídia e produção de identidades. In: BARONAS, Roberto Leiser (Org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João, 2007. p. 155-168.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Trad. Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da enunciação. Org. Sírio Possenti, Maria Cecília Pérez de Souza-e-Silva. São Paulo: Parábola, 2008.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. Palavra de amor. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, vol. 19, p.75-95, jul./dez, 1990.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Trad. Eni P. Orlandi. 3. ed. Campinas: Editora da UNICAMP, 1997.

PÊCHEUX, Michel. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni P. Orlandi. 3. ed. Campinas: Pontes, 2002.

SARGENTINI, Vanice Maria de Oliveira. A noção de formação discursiva: uma relação estreita com o corpus na análise do discurso. In: BARONAS, Roberto Leiser (Org.). Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção-conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro & João, 2007. p. 215-222.

Downloads

Publicado

03-05-2019

Como Citar

DOS SANTOS, A. P.; HEINE, L. M. B. Para além dos sentidos, do tempo e do espaço: o discurso de amor em duas formações discursivas. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 1, p. 226–238, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/21540. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

ENSAIOS E TEMAS INTERDISCIPLINARES