Infância e história: a criança na modernidade e na contemporaneidade

Autores

Palavras-chave:

História, Infância, Educação.

Resumo


Este texto realiza uma discussão sobre a infância explicando como a criança foi percebida na história caracterizando o aparecimento da infância, por intermédio dos postulados de estudiosos como Philippe Ariès (1914-1984) e Neil Postman (1931-2003), ao seu atual desaparecimento, segundo esse último autor. O objetivo do estudo é mostrar que a infância é uma construção histórica que surgiu no século XVII, consolidando-se a partir Idade Moderna até o século XIX e está desaparecendo da contemporaneidade. Assim, o estudo retoma o contexto histórico para uma melhor compreensão da infância em cada período, nas visões dos autores supracitados, passando pelo criador dos Jardins de infância Friedrich Froebel (1782-1852), quando a concepção de infância está consolidada no século XIX. A metodologia utilizada foi a de revisão bibliográfica, com enfoque crítico. Postman (1999) não fornece soluções para o problema do desaparecimento da infância na contemporaneidade, no entanto, realiza um interessante estudo dos motivos pelos quais a infância está sendo reprimida; motivos estes que são apresentados e discutidos no decorrer deste estudo.

Biografia do Autor

Juliara Dias dos Santos, Rede Municipal de Educação Fundamental de Paranavaí PR

Graduação em Letras pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (2009); especialização em Fundamentos teórico metodológicos em Educação Especial e Educação Infantil pela Faculdade Estadual de Educação Ciências e Letras de Paranavaí (2012); graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Paraná - Campus Paranavaí (2013) e mestrado em Ensino: Formação Docente Interdisciplinar, pela Universidade Estadual do Paraná - Campus Paranavaí (2016). 

Adão Aparecido Molina, Universidade Estadual do Paraná - Campus de Paranavaí

Doutor em Educação e pós-doutor em história; Professor do Colegiado de Pedagogia e do Programa de Mestrado em Ensino da Universidade Estadual do Paraná; - Campus de Paranavaí.

Referências

ARCE, Alessandra. Friedrich Froebel: o pedagogo dos jardins de infância. Petrópolis: Vozes, 2002.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. Tradução de: L’enfant et la vie familiale sous I’ Ancien Regime. 2. ed. Rio de janeiro: LTC, 2006.

LOCKE, John. Pensamientos acerca de la educación. Barcelona: Editorial Humanitas, 1982.

LARA, A. M. B. ; MOLINA, Adão Aparecido. Pesquisa Qualitativa: apontamentos, conceitos e tipologias. In: Cèzar de Alencar Arnaut de Toledo; Maria Teresa Claro Gonzaga. (Org.). Metodologia e Técnicas de Pesquisa nas Áreas de Ciências Humanas. Maringá: Eduem, 2011. p. 121-172.

LOPES, Josiane. Afinal, o que é Construtivismo? Revista Nova Escola. Rio de Janeiro. n. 139, jan./fev. de 2001.

MARX, K. A chamada acumulação primitiva. In: MARX, K. A. O capital. 7. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1980.

MÉLO, C. S; IVASHITA, S. B.; RODRIGUES, E. O desaparecimento da Infância. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n.35, p. 311-316, set. 2009.

OLIVEIRA, Terezinha. Luzes sobre a Idade Média. Maringá: EDUEM, 2002.

PEREIRA, Maria Eliza Mazzilli; GIOIA, Sílvia Catarina. Do feudalismo ao capitalismo: uma longa transição. In: ANDERY, Maria Amália. Para compreender a ciência: uma perspectiva histórica. 8. ed. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo; São Paulo: EDUC, 1999.

POSTMAN, Neil. O desaparecimento da Infância. Rio de Janeiro: Graphia, 1999.

ROTTERDAM, E. De Pueris (Dos Meninos); A Civilidade Pueril. Tradução, Introdução e Notas de Luiz Feracine. 2. ed. São Paulo: Escala, 2008.

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia. São Paulo: Autores Associados, 1992.

Downloads

Publicado

03-05-2019

Como Citar

DIAS DOS SANTOS, J.; MOLINA, A. A. Infância e história: a criança na modernidade e na contemporaneidade. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 1, p. 189–204, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/21603. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO