Patrimônio cultural afro-caririense: tecnologia ancestral dos ferreiros de Potengi

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.23507

Palavras-chave:

Cariri cearense, Africanidades, Ferreiros.

Resumo


Tendo em vista as produções acadêmicas sobre a região do Cariri, com viés atravessado pela abordagem da afrodescendência, que não perde de vista as diversas possibilidades de existência da população negra na formação do território, este artigo tem como objetivo problematizar africanidades Caririenses a partir do trabalho centenário dos ferreiros da cidade de Potengi, Sul do estado do Ceará. Para isso, utilizou-se de um referencial específico sobre a importância do ferro para a cultura africana, entendendo-a como uma tecnologia muito antiga, transportada e ressignificada na cultura afro-caririense. O estudo de campo como metodologia, em uma perspectiva étnica, nos foi necessário para conhecer a dinâmica local que circunda esse conhecimento milenar. Como resultado, esta escrita, assim como o trabalho desenvolvido pelos ferreiros, é uma possibilidade didático-pedagógica para o ensino da cultura, história, química e tecnologia do território local.

Biografia do Autor

Ana Paula dos Santos, Universidade Federal do Ceará (UFC).

Ana Paula dos Santos, aprendiz e amante da vida. Coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas - NEABI- Campus Juazeiro do Norte. Pedagoga. Doutoranda em Educação pela Universidade Federal do Ceará - UFC, na linha de pesquisa: movimentos sociais, Educação Popular e Escola, no eixo Sociopoética, Cultura e Relações Étnico-raciais. Mestre em Educação pela Universidade Federal do Ceará. Especialista em Gestão escolar pela Universidade Regional do Cariri - URCA. Consultora da Secretária de Educação do Estado do Ceará ? Seduc sobre projetos político-pedagógicos das escolas localizadas em territórios quilombolas. Professora formadora do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR). Compõe a comissão organizadora do Artefatos da Cultura Negra, é membro do Núcleo de Estudos em Educação, Gênero e Relações Étnico-Raciais - NEGRER/URCA e do Grupo de Estudos e Pesquisa em Geografia Agrária- GEA-URCA. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores quilombolas, Lei 10.639/2003, gestão escolar e pedagogia de quilombo.

Henrique Antunes Cunha Junior, Universidade Federal do Ceará (UFC).

Possui graduação em Engenharia Elétrica pela Universidade de São Paulo (1975), graduação em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1979), mestrado em Dea de Historia - Université de Nancy- França(1981) e Doutoramento Em Engenharia Elétrica pelo Instituto Politécnico de Lorraine (1983). Realizou Pós- doutoramento na Universidade Técnica de Berlin -1985. Foi pesquisador Sênior do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo -IPT (1988-1994). Foi chefe de Departamento da Área de Engenharia Elétrica do IPT. Foi professor da Universidade de São Paulo entre 1976 e 1979 e depois entre 1985 e 1994. Foi aprovado no concurso de Professor Livre Docente pela USP em 1993. Foi aprovado no concurso com tese de professor Titular na Universidade Federal do Ceará em 1995. Atualmente é Professor Titular da Universidade Federal do Ceará. Pesquisa e leciona na área de Educação, com base na teoria da complexidade sistêmica e da transdisciplinaridade, ênfase em Bairros Negros e Territórios negros, Historia e Urbanismo Africano. Trabalha também na Engenharia Elétrica nas áreas de Planejamento Energético, Sistemas de Controle, Eletrônica de Potencia,Comando de Maquinas Elétricas.Orienta doutoramentos e mestrados em Educação com temas de historia e cultura africana, espaço urbano, bairros negros. Orientou mestrados e doutoramentos em engenharia elétrica. Ao todo já orientou e co-orientou 21 teses de doutoramento e 45 de mestrado. Foi coordenador do curso de Engenharia Elétrica da UFC entre 2012 e 2016.Cursou técnicas de Acupuntura Coreana nas Mãos em 2015. Realizou Especialização em Arquitetura e Cidades - Faculdades UNYLEYA em 2016 - 2017. Com Tcc - Espaço Público, População Negra, Bairros Negros. 

Referências

CUNHA JUNIOR, Henrique Antunes. Tecnologia africana na formação brasileira. Rio de Janeiro: CEAP, 2010.

CUNHA JUNIOR, Henrique Antunes. História do ferro e do aço nas sociedades africanas tradicionais: Educação Brasileira e Afrodescendência – disciplina de mestrado. 2016. Notas de aula.

DOMINGOS, Reginaldo Ferreira. Pedagogias da transmissão da religiosidade africana na casa de candomblé Iabasé de Xangô e Oxum em Juazeiro do Norte-CE. 2011. 273 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2011.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

HAMPATÉ BÁ, Amadou. A tradição viva. In: KI- ZERBO, Joseph (org.). História geral da África I: metodologia e pré-história na África. 2 ed. Brasília: UNESCO, 2010. v.1. cap. 8, p.167-212.

NUNES, Cícera. O Reisado em Juazeiro do Norte-CE e os conteúdos da história e cultura Africana e afrodescendente: uma proposta para implementação da Lei nº. 10.639/03. 2007. 157 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

OLIVEIRA, David Eduardo de. Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2006.

OLIVEIRA, David Eduardo de. Filosofia da ancestralidade: corpo de mito na filosofia brasileira. Curitiba: Editora Gráfica Popular, 2007.

OLIVEIRA, Alexsandra Flávia Bezerra de. Feira livre de Bodocó como espaço educativo das africanidades bodocoenses. 2016. 214 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2016.

SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Africanidades: esclarecendo sentidos e definições. Revista Espaço do professor, Porto Alegre, n. 19, janeiro/março, 2003.

SILVA, Juliana Ribeiro da. Homens de ferro: os ferreiros da África Central do século XIX. 2008. 165 f. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2008.

SILVA, Alberto da Costa. A África explicada aos meus filhos. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2013.

SOUSA, Kássia Mota de. Por onde andou nossa família: veredas e narrativas da história de afrodescendentes no pós-abolição. 2015. 173 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2015.

VANSINA, Jan. A tradição oral e sua metodologia. In: KI-ZERBO, Joseph (org.). História geral da África I: metodologia e pré-história da África. 2 ed. Brasília: UNESCO, 2010. v.1. cap. 7, p.139-166.

SANTOS, E. Ofício e som dos ferreiros inspiram músicos de Potengi. Diário do Nordeste. 09 ago. 2015. Disponível em: <http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/suplementos/cariri-regional/oficio-e-som-dos-ferreiros-inspiram-musicos-de-potengi-1.1357917>. Acesso em: 20 jan. 2017.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

DOS SANTOS, A. P.; CUNHA JUNIOR, H. A. Patrimônio cultural afro-caririense: tecnologia ancestral dos ferreiros de Potengi. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 299–311, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.23507. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23507. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO