Entrelaçamentos: ecolinguística e Base Nacional Comum Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.24154

Palavras-chave:

Interação, Diversidade, Defesa da vida e BNCC

Resumo


Há muito tempo, algumas correntes de pensamento de orientação racionalistas têm dominado a esfera do conhecimento de modo supremo. Na contramão disso, a Ecolinguística aparece como uma forma de resistência, se posicionando contrária à exploração do outro, ao individualismo e à unidade como agente constitutivo e inerente a tudo. Essa proposta epistemológica dialoga com valores ecológicos, baseando-se em preceitos da ecologia profunda, campo biológico cuja visão é inter-relação, valorização da diversidade e defesa da vida nas suas mais diferentes apresentações da concepção ecossistêmica. Assim, este artigo se propôs a demonstrar como três pressupostos ecolinguísticos: interação (inter-relação); diversidade e defesa da vida, aparecem no tópico Competências Específicas de Linguagens e suas Tecnologias para o Ensino Médio da BNCC. O estudo seguiu orientação filosófica baseando-se nos princípios ecolinguísticos e em alguns estudos associados à Base Comum. Este trabalho se estruturou em abordagem metodológica documental. O corpus é composto por sete competências esperadas para o ensino de língua portuguesa, no Ensino médio, propostas na BNCC. Os resultados demonstraram que a Base apresenta, indiretamente, os três princípios ecológicos propostos neste artigo. Os fundamentos teóricos mobilizados foram COUTO (2007, 2015 e 2016) e NAKAD (2016). Acredita-se que o estudo aqui empreendido se revelou oportuno, visto há escassez de trabalhos que associam ensino e ecolinguística, o que colaborou para difusão de trabalhos na área. A pesquisa possibilitou ainda refletir sobre o alcance e a dimensão dos princípios ecolinguísticos em um plano concreto.

Biografia do Autor

Eduwesley Pereira da Silva, Universidade Federal de Goiás - GO/Goiânia.

Atualmente é aluno regular do Programa de Mestrado em Estudos Linguísticos da Universidade Federal de Goiás (2019). Recebe apoio financeiro de fomento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES/MEC). Fez graduação em Letras pela Universidade Estadual de Goiás (2014). Durante a sua graduação dedicou dois anos e meio como participante bolsista no Programa de Iniciação de Bolsas de Iniciação a Docência (PIBID/CAPES). Tem interesses por áreas da Análise do Discurso em suas variações e Linguística Aplicada Crítica, com foco em ensino, complexidade e aprendizagem.

Elza Kioko Nakayama Nenoki do Couto, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Fez o Mestrado e Doutorado em Língua Portuguesa (PUC-SP). Atualmente é professora Associada da Universidade Federal de Goiás. Vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística. Orienta trabalhos de Mestrado e Doutorado na área de Linguística com ênfase em Análise do Discurso, Ecolinguística, Linguística Ecossistêmica, Análise do Discurso Ecológica, Antropologia do Imaginário. Desenvolveu estágio pós-doutoral sobre a linguagem dos ciganos kalderash de Aparecida de Goiânia, na Universidade de Brasília. Desenvolveu estágio pós-doutoral na Universidade de Bolonha (Itália) sob a supervisão do professor Roberto Mulinacci. É líder, no Diretório do CNPq, do NELIM (Núcleo de Ecolinguística e Imaginário). Publicou os livros Em busca da casa perdida: Vozes e imaginário de meninos de rua (2005), Ecolinguística e imaginário (2012), Ecolinguística: Um diálogo com Hildo Honório do Couto (2013). Desenvolve, com bolsa PQ do CNPq, o projeto a Linguagem Rural Brasileira: Gramática e Discurso. É representante regional (Brasil) da Análise do Discurso Ecológica/Ecossistêmica (Critical Ecosystemic Linguistics) no Steering Group da International Ecolinguistics Association, localizada na University of Gloucestershire, Reino Unido. Participa como pesquisadora da Rede de Estudos da Língua Portuguesa ao Redor do Mundo, coordenado pela profa. Dra. Vânia Casseb Galvão (UFG).

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da república federativa do Brasil. Disponível em: https://www.senado.leg.br/atividade/const/con1988/CON1988_05.10.1988/ind.asp. Acesso em: 07 de nov. 2019.

BUZEN, C. A fabricação da disciplina escolar Português. Revista diálogo educacional, Curitiba, v.11, n.34, p.885-911, set/dez. 2011.

COUTO, H. COUTO, E. N.; BORGES, L. Análise do Discurso Ecológica (ADE). Campinas: Pontes, 2015.

COUTO, H. COUTO, E.; ARAÚJO, G.; ALBUQUERQUE, D. O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Vol.2 ed. Goiânia: UFG, 2016. p. 528.

COUTO, H. Ecolinguística: Estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.

GOFFMAN, Erving. A representação do eu na vida cotidiana. Rio de Janeiro: Vozes, 2012.

GOFFMAN, Erving. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

HALL, S. A identidade cultural da pós-modernidade. 10. Ed. São Paulo. Edutra DP&A, 2003.

MARCHAND, P; BAIRROS, M e AMARAL, J. A Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio, as definições do Banco Mundial e os desafios da educação pública no Brasil. In. Políticas Educativas, Santa Maria, v. 11, n2, p. 69-88, 2018. ISSN: 1982-3207.

NAKAD, F, A. Desafios para a implementação da Base Nacional Comum Curricular. Disponível: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/19945/MPGPP_Disserta%c3%a7%c3%a3o_Fabricio_Gabriel.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso: 08 jan. 2020.

NEIRA, M, G. Incoerências e Inconsistências da BNCC de Educação Física. In: Revista brasileira de Ciência e Esporte, v. 40, n. 3, Porto Alegre, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32892018000300215. Acesso em: 03 jan. 2020.

SANDÍN ESTEBAN, M. P. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradições. Porto Alegre: AMGH, 2010.

SETE competências da BNCC para o ensino de língua portuguesa no ensino médio. In: BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Disponível: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/a-base. Acesso em: 11 dez. 2019.

SILVA, M, R, DA. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. In: Educação em revista, v. 34, 22 out 2018. ISSN: 0102-4698. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-46982018000100301&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 13 fev. 2020.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

SILVA, E. P. da; DO COUTO, E. K. N. N. Entrelaçamentos: ecolinguística e Base Nacional Comum Curricular para o Ensino de Língua Portuguesa. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 140–153, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.24154. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24154. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Mito, Imaginário e Ecolinguística