Onde há fumaça, há fogo: os provérbios no Texto Jurídico entre a sabedoria popular, a Ecolinguística e o Direito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.24175

Palavras-chave:

Direito, Provérbios, Argumentação, Ecolinguística, Imaginário.

Resumo


Os provérbios são verdadeiros recursos argumentativos presentes nas línguas naturais. Não se trata apenas de estruturas sintáticas condensadas, mas estruturas semântico-discursivas e pragmáticas que, em poucas palavras, dizem muito. Funcionam no texto jurídico como recursos argumentativos que podem até decidir uma demanda na ausência de uma norma positivada. Dessa forma, este trabalho, fundamentado nos pressupostos teórico-metodológicos da Ecolinguística e da pesquisa em Direito, visa à análise de alguns provérbios existentes no campo jurídico e também estão presentes no imaginário e no léxico do cidadão comum. Coletamos os provérbios de algumas decisões judiciais e correlacionamos a carga semântica desses provérbios com a vida diária. Os resultados obtidos servirão de fundamentos para a análise do direito emergido da vida do povo e não apenas da lei. 

Biografia do Autor

Tadeu Luciano Siqueira Andrade, Universidade do Estado da Bahia (Uneb).

Doutorando em Linguística, mestre em Linguísitca. Professor da UNEB - Campus IV, área de Língua Portuguesa e Direito.

Referências

ALBUQUERQUE, M. H. T. Um exame pragmático do uso de enunciados proverbiais nas interações verbais correntes. 1989. 169 f. Dissertação (Mestrado da Área de Filologia Românica) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

AMARAL, Amadeu. Tradições Populares. 4. ed. São Paulo, SP: Hucitec. 1976.

ANDRADE, Tadeu Luciano Siqueira. Provérbios falados no Nordeste: um olhar lingüístico e Histórico. Estudos Filológicos em Textos Literários. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Volume V nº 03, 123-140, 2000.

BARBOSA, Rui. Oração aos moços. Edição popular anotada por Adriano da Gama Kury. 5. ed. – Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1997.

BRANDÃO, Heloanny de Freitas O Direito Ambiental Constitucional Brasileiro: Perspectiva da Análise do Discurso Ecológica (ADE) 2016. 168 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Letras (FL), Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística, Goiânia, 2016.

BÍBLIA. Português. Bíblia sagrada. Tradução de Padre Antônio Pereira de Figueiredo. Rio de Janeiro: Encyclopaedia Britannica, 1980. Edição Ecumênica.

BRASIL, Decreto-Lei n° 4.657, de 4 de setembro de 1942. Lei de Introdução às normas do Direito Brasileiro. Disponível em: http:// www.planalto.gov.br. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http:// www2.senado.leg.br › bdsf › bitstream › handle › cf88_ec85. Acesso em: 22 mar. 2020.

BUITONI, Ademir O direito diante das três ecologias: ambiental, social e mental (2019). Disponível <https://jus.com.br/artigos/76322/o-direito-diante-das-tres-ecologias-ambiental-social-e-mental. Acesso em: 20 mar. 2020.

CAPEZ, Fernando. Curso de Direito Penal: parte geral. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

CAPRA, Fijoff; MATTEI, Ugo. A REVOLUÇÃO ECOJURÍDICA: o Direito Sistêmico em sintonia com a natureza e a comunidade. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. 1. ed. São Paulo: Editora Cultrix, 2018.

COUTO, Hildo Honório do. Ecolinguística: Estudo das Relações entre Língua e Meio Ambiente. 1. ed. Brasília: Thesaurus Editora, 2007.

FRANÇA, R. Limongi. Brocardos jurídicos – As regras de Justiniano: estudo crítico preliminar. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1980.

FROSI, Vitalina Maria. “Provérbios Dialetais Italianos. ” Mestre em Letras. Caxias do Sul RS: Universidade de Caxias do Sul. 1. ed. p. 61-81. 1998.

MAGALHÃES JUNIOR, Raimundo. Dicionário de provérbios, locuções, curiosidades verbais, frases feitas, etimologias pitorescas, citações. São Paulo: Ediouro. 1983.

MOTA, Leonardo. Adagiário Brasileiro. 1. ed. Fortaleza CE: BNB. 1991.

OBELKEVICH, James. Provérbio e História Social. In. BURKER, Peter & PORTER, Roy (org). História Social da Linguagem. São Paulo: Ed. Unesp. 1998.

PEREIRA, José. Os Provérbios no Dicionário Brasileiro de Fraseologia. Artes do Léxico. Rio de Janeiro: UERJ. n. 03. p. 27-36. 2000.

RODRIGUES, Sérgio. A caçamba veio da África. Disponível em https://veja.abril.com.br › blog › sobre-palavras › a-caçamba-veio-da-africa. Publicado em 31 jan 2014, 16h00. Acesso: 20 nov.2019.

STORCH, Sami. Direito sistêmico é uma luz no campo dos meios adequados de solução de conflitos. Revista Consultor Jurídico 2018. Disponível em: https://www.conjur.com.br/2018-jun-20/sami-storch-direito-sistemico-euma-luz-solucao-conflitos Acesso em: 28 fev. 2020.

SOUZA, Josué Rodrigues de Provérbios & Máximas em 7 Idiomas. 3. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2000.

TEIXEIRA, José (2017) “Mais importante que a verdade: o valor argumentativo dos provérbios”. In: SOARES, Rui; LAUHAKANGAS, Outi (Org.). Actas ICP16 Proceedings, Associação Internacional de Parameologia/ International Association of Paramiology (AIP-IAP), p. 550-560. (ISBN 978-989-98685-71) outubro 2017. Disponível em: repositorium.sdum.uminho.pt. Acesso: 19 nov. 2019.

XATARA, Claudia Maria, SUCCI, Thais Marini. Revisitando o conceito de Provérbio. In: Veredas On Line – Atemática – PPG Linguística/UFJF – Juiz de Fora. p. 33-48. 1/2008.

XAVIER, Ronaldo Caldeira Xavier. Português no Direito: Linguagem Forense. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

WARAT, Luís Alberto O Direito e sua Linguagem. 1. ed. Porto Alegre RS: Sergio Antonio Fabris, 1984.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

ANDRADE, T. L. S. Onde há fumaça, há fogo: os provérbios no Texto Jurídico entre a sabedoria popular, a Ecolinguística e o Direito. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 170–184, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.24175. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24175. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Mito, Imaginário e Ecolinguística