O mito diretivo das digitais influencers como potencializador do discurso consumista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.24188

Palavras-chave:

Digitais influencers, Análise do Discurso Ecológica, Discurso Consumista, Antropologia do Imaginário.

Resumo


Este estudo visa observar e analisar, pelo viés da Análise do Discurso Ecológica e da Antropologia do Imaginário, como o discurso consumista é construído pelas Digitais influencers goianas, na atualidade, buscando compreender a figura dessas personalidades como potencializadoras do discurso consumista. Visto que os discursos consumistas estão cada vez mais exacerbados, propõe-se a analisar as estratégias utilizadas pelas digitais influencers goianas, tendo em vista os aspectos persuasivos e afetivos. Para alcançar esse objetivo, iniciaremos nosso estudo observando os elementos linguísticos e extralinguísticos no intuito de apreender os mitemas que nos levam ao mito e as imagens que povoam o imaginário coletivo no qual o corpus está inserido. Como fundamentação teórica, será utilizada a teoria da ADE (COUTO et al., 2015), buscando compreender as interações entre indivíduo-indivíduo e indivíduo-mundo, isto é, os elementos linguísticos e extralinguísticos que compõem as interações, além da teoria do Imaginário (DURAND, 1999), que nos auxiliará a entender as imagens que circundam e compõem o objeto de estudo. O corpus de análise compreenderá três perfis do Instagram: Danila Guimarães, Rafaella Kalimann e Andressa Suita, devido ao fato de elas estarem no topo da lista dos perfis goianos mais seguidos no Instagram. A coleta de dados será feita nas publicações dos perfis selecionados. Além disso, será utilizado o método da focalização, ou seja, o recorte de dado campo de interações, mas sem desprezar o todo (GARNER, 2004). Pode-se perceber que é a identificação como heroínas que as fãs atribuem às digitais influencers que as torna potencializadoras de um discurso consumista, uma vez que instigam, nas seguidoras, o desejo de adquirir o mesmo sentimento de realização e pertencimento ao universo que as circunda.

Biografia do Autor

Cláudia Borges de Lima, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Possui graduação em Letras - Inglês pela Universidade de Rio Verde (2007) e Mestrado em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Goiás. Atualmente é professora de Redação e Literatura - Colégio Einstein. Tem experiência na área de Letras, com habilitação em português e inglês.

Elza Kioko Nakayama Nenoki do Couto, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Fez o Mestrado e Doutorado em Língua Portuguesa (PUC-SP). Atualmente é professora Associada da Universidade Federal de Goiás. Vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística. Orienta trabalhos de Mestrado e Doutorado na área de Linguística com ênfase em Análise do Discurso, Ecolinguística, Linguística Ecossistêmica, Análise do Discurso Ecológica, Antropologia do Imaginário. Desenvolveu estágio pós-doutoral sobre a linguagem dos ciganos kalderash de Aparecida de Goiânia, na Universidade de Brasília. Desenvolveu estágio pós-doutoral na Universidade de Bolonha (Itália) sob a supervisão do professor Roberto Mulinacci. É líder, no Diretório do CNPq, do NELIM (Núcleo de Ecolinguística e Imaginário). Publicou os livros Em busca da casa perdida: Vozes e imaginário de meninos de rua (2005), Ecolinguística e imaginário (2012), Ecolinguística: Um diálogo com Hildo Honório do Couto (2013). Desenvolve, com bolsa PQ do CNPq, o projeto a Linguagem Rural Brasileira: Gramática e Discurso. É representante regional (Brasil) da Análise do Discurso Ecológica/Ecossistêmica (Critical Ecosystemic Linguistics) no Steering Group da International Ecolinguistics Association, localizada na University of Gloucestershire, Reino Unido. Participa como pesquisadora da Rede de Estudos da Língua Portuguesa ao Redor do Mundo, coordenado pela profa. Dra. Vânia Casseb Galvão (UFG).

Michelly Jacinto Lima Luiz, Universidade Federal de Goiás (UFG).

Doutoranda em estudos linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (2019). Mestra em estudos linguísticos pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás (2016-2018). Graduada em Letras-Português, também, pela Universidade Federal de Goiás (2009-2012). Elabora pesquisas com ênfase na Antropologia do Imaginário, Análise do Discurso e também Ecolinguística. Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Imaginário e Ecolinguística (NELIM).

Referências

ARENDT, H. A condição humana. Tradução R. Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

BAUMAN, Z. Vida para o consumo – A transformação das pessoas em mercadoria. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BAUDRILLARD, J. Função-signo e lógica de classe. Em: A economia política dos signos. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1996.

BOURDIEU, Pierre. Gostos de classe e estilos de vida. Em: ORTIZ, Renato (org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983. p. 82-121.

CHERVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Trad. Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2015.

COUTO, H. et al. Análise dos Discurso Ecológica ADE. Goiânia: Editora UFG, 2015. 528p. (Coleção Síntese; v. 2).

COUTO, H. et al. (Org.). O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora UFG, 2016. 528 p. (Coleção Síntese; v. 2).

DURAND, G. As estruturas antropológicas do imaginário. Trad. de Hélder Godinho. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GARNER, M. Language: an ecological view. Oxford/Berlim: Peter Lang, 2004.

HOFFMANN, E. G. A influência dos blogs no processo de consumo. Porto Alegre: UFRGS, 2010.

KARHAWI, I. Influenciadores digitais: o Eu como mercadoria. In. SAAD-CORRÊA, E. N.; SILVEIRA, S. C. Tendências em Comunicação Digital. São Paulo: ECA-USP, 2016.

LIPOVETSKY, Gilles. A felicidade paradoxal: ensaio sobre a sociedade de hiperconsumo. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

NENOKI DO COUTO, Elza Kioko Nakayama. Ecolinguística e imaginário. Brasília: Thessaurus, 2012

PITTA, D. P. R. Iniciação à teoria do Imaginário de Gilbert Durand. Rio de Janeiro: Atlântica Editora, 2005.

PIZA, Mariana Vassalo. Processos de influências sociais no ambiente online: análise da Youtuber Jout Jout. 2016. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Departamento de Sociologia da Universidade de Brasília, Brasília, 2016. Disponível em: http://repositorio.unb.br/handle/10482/22919_MarianaVassaloPiza.pdf. Acesso em: 04/09/2018.

VOGLER, C. A jornada do herói. In: VOGLER, C. A jornada do escritor: estruturas míticas para escritores. Trad. de Ana Maria Machado. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006. p. 47-66.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

DE LIMA, C. B.; DO COUTO, E. K. N. N.; LIMA LUIZ, M. J. O mito diretivo das digitais influencers como potencializador do discurso consumista. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 218–234, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.24188. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24188. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Mito, Imaginário e Ecolinguística