A interação comunicativa na lenda do cabeça de cuia: um estudo na perspectiva da ecolinguística

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.24191

Palavras-chave:

Ecolinguística, Linguística ecossistêmica, Interação comunicativa, Lenda do cabeça de cuia.

Resumo


A interação comunicativa é o ponto central da língua e ocorre no interior do ecossistema linguístico. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar a interação comunicativa no ecossistema linguístico da lenda do cabeça de cuia. Para fundamentação da pesquisa, busca-se embasamento teórico nos estudos de Couto (2007, 2013, 2015 e 2016) e em Couto e Couto (2019) sobre ecolinguística e seu ramo denominado linguística ecossistêmica; e nos trabalhos de Magalhães (2011) e Silva (1982) sobre a lenda do cabeça de cuia. Na metodologia da pesquisa, assume-se uma visão holística, parte-se de uma abordagem qualitativa e adota-se a ecometodologia, usando-se o método da focalização. Os resultados revelam que a interação comunicativa ocorre no meio ambiente natural, no meio ambiente mental e no meio ambiente social do ecossistema integral da lenda do cabeça de cuia, sendo mais marcante no meio ambiente mental, com diálogos que levam a interações entre as conexões dos neurônios (P2) e os cérebros/mentes (T2) dos interlocutores. Constata-se que a lenda do cabeça de cuia está associada às transformações que ocorreram na região para a fundação de Teresina, a nova capital do estado do Piauí, marcadas pelas propriedades: inter-relações, adaptação, evolução e integração, identificadas na análise das interações do ecossistema linguístico integral.  Conclui-se que a interação comunicativa no ecossistema linguístico da lenda constitui uma comunidade de fala simples, em que as pessoas (p1 e p2) usam a língua portuguesa para a interação pessoa-pessoa, caracterizada pela desarmonia no diálogo entre falantes e ouvintes, gerando uma descomunhão. 

Biografia do Autor

Naziozênio Antonio Lacerda, Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Professor da graduação no curso de Licenciatura em Letras-Lingua Portuguesa e Literatura de Língua Portuguesa e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGEL) da Universidade Federal do Piauí.

Referências

ALBUQUERQUE, D. B. A língua portuguesa em Timor-Leste: uma abordagem ecolinguística. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

AVELAR FILHO, João Nunes. Saberes e expressões culturais do cerrado goiano vistos pela ecolinguística. In: COUTO, Elza Kioko Nakayama Nenoki do; DOURADO, Zilda; SILVA, Anderson Nowogrodzky da; AVELAR FILHO, João Nunes (Orgs.). Linguística ecossistêmica: 10 anos de ecolinguística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2017. p. 205-216.

BEAR, Mark F.; CONNORS, Barry W.; PARADISO, Michael A. Neurociências: desvendando o sistema nervoso. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

COUTO, Elza Kioko Nakayama Nenoki do. Dez anos de ecolinguística no Brasil: inovações e reinterpretações. In: COUTO, Elza Kioko Nakayama Nenoki do; DOURADO, Zilda; SILVA, Anderson Nowogrodzky da; AVELAR FILHO, João Nunes (Orgs.). Linguística ecossistêmica: 10 anos de ecolinguística no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 2017. p. 45-64.

COUTO, Elza Kioko Nakayama Nenoki do; COUTO, Hildo Honório do. Uma leitura ecolinguística de “Se eu quiser falar com Deus” de Gilberto Gil. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem (ECO-REBEL), v. 05, n. 02, p.40-53, 2019.

COUTO, Hildo Honório do. Ecolinguística: estudo das relações entre língua e meio ambiente. Brasília: Thesaurus, 2007.

COUTO, Hildo Honório do. O que vem a ser ecolinguística, afinal? Cadernos de Linguagem & Sociedade, v. 14, n. 1, p. 275-313, 2013.

COUTO, Hildo Honório do. Linguística ecossistêmica. Ecolinguística: Revista Brasileira de Ecologia e Linguagem (ECO-REBEL), v. 01, n. 01, p. 47-81, 2015.

COUTO, Hildo Honório do. Linguística ecossistêmica. In: COUTO, Hildo Honório do et al. (Orgs.). O paradigma ecológico para as ciências da linguagem: ensaios ecolinguísticos clássicos e contemporâneos. Goiânia: Editora UFG, 2016. (Coleção Síntese; v. 2). p. 209-261.

DAMÁSIO, António R. O erro de Descartes: emoção, razão e o cérebro humano. Tradução Dora Vicente, Georgina Segurado. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

DION, Sylvie. A lenda urbana: um gênero narrativo de grande mobilidade cultural. Boitatá – Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, n. 6, ago./dez.2008, p. 1-13.

DOIDGE, Norman. O cérebro que se transforma: como a neurociência pode curar as pessoas [recurso eletrônico]. Tradução de Ryta Vinagre. Rio de Janeiro: Record, 2016.

GOMES, Mirian. De Vila do Poti a Teresina: a mudança da capital do Piauí. Disponível em: http://www.capitalteresina.com.br/noticias/teresina-163-anos-urbanizacao-x-hi/de-vila-do-poti-a-teresina-a-mudanca-da-capital-do-piaui-30738.html Publicado em 18 ago. 2015. Acesso em: 30 nov. 2018.

HILGERT, José Gaston. A colaboração do ouvinte na construção do enunciado do falante – um caso de interação intraturno. In: PRETI, Dino (Org.). Interação na fala e na escrita. São Paulo: Humanitas/FFCL-USP, 2002. p. 89-124.

IBIAPINA, João Nonon Moura Fontes. Passarela de marmotas. Teresina: COMEPI, 1975.

LACERDA, Naziozênio A. O gênero textual lenda: fantasiando a imaginação de alunos em processo de alfabetização e letramento. In: COGITE - Colóquio sobre Gêneros & Textos, 4, 2014, Teresina. Anais... [recurso eletrônico]. Teresina: EDUFPI, 2015, p. 459-471.

MAGALHÃES, Maria do Socorro Rios. A lenda do cabeça de cuia: estrutura narrativa e formação do sentido. Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo – v.7, n. 1, p. 151-160, jan./jun. 2011.

PASSAMONTI, Luca et al. Effects of acute tryptophan depletion on prefrontal-amygdala connectivity while viewing facial signals of aggression. Biological psychiatry, 2012; 71; 36–43.

SILVA, Josias Clarence Carneiro da. Encanto e terror das águas piauienses. Teresina: COMEPI, 1982.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

LACERDA, N. A. A interação comunicativa na lenda do cabeça de cuia: um estudo na perspectiva da ecolinguística. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 198–217, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.24191. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24191. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Mito, Imaginário e Ecolinguística