Quando poesia rima com trabalho: perspectivas profissionais a partir de um sarau literário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i1.25527

Palavras-chave:

Escritores da periferia, saraus literários, políticas culturais.

Resumo


Associados a expressões variadas, como literatura marginal e periférica, escritores originários das camadas populares e majoritariamente identificados como negros têm ganhado visibilidade na cena cultural brasileira, desde o final dos anos 1990. Boa parte deles também está engajada em coletivos literários que, entre outras atividades, promovem saraus em periferias e favelas, apropriando-se e dando novos significados a um tipo de prática atribuída às elites econômicas e culturais. Tendo como referência esse contexto, bem como um conjunto de políticas organizadas para responder às demandas desses artistas e ativistas, o artigo enfoca as trajetórias de Raquel Almeida e Michel Yakini, cofundadores do Coletivo Literário Elo da Corrente, para discutir perspectivas de profissionalização na área cultural. Os dados e reflexões aqui apresentadas se baseiam em entrevistas realizadas em diferentes momentos da atuação pública desses escritores, assim como se apoiam em uma série de pesquisas realizadas sobre produção cultural nas periferias paulistanas (AUTORA, 2006; 2011 e 2017). Em diálogo com teóricos que refletiram sobre trajetória social (BOURDIEU, 1986), projeto de vida (DAYRELL, 2005A), transição para vida adulta (Sposito, 2007) e políticas voltadas para a democratização da cultura (como VILUTIS, 2009, ABREU, 2010 e MAIA, 2014), busca-se demonstrar que, mais do que importantes instâncias de produção e difusão de literatura nas periferias, os saraus são espaços a partir dos quais seus frequentadores assíduos agenciam subjetividades, modos de ser e estar no mundo, ao criarem vínculos afetivos com o território periférico e acessarem novas oportunidades de participação política, vivência comunitária e atuação profissional.

Biografia do Autor

Érica Peçanha do Nascimento, Instituto de Estudos Avançados da USP

Antropóloga, com pesquisas de mestrado, doutorado e pós-doutorado desenvolvidas na Universidade de São Paulo. Pesquisadora de pós-doutorado do Instituto de Estudos Avançados da USP e do nPeriferias - Grupo de Estudo das Periferias.

Referências

ABRAMO, Helena. “O VAI no contexto das políticas para a juventude”. In: Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo. VAI – 5 anos. São Paulo: SMC, 2008, p.14-15.

ABREU, James Lemos de. Cultura e política: o caso do Programa VAI em São Paulo. Tese (Ciências Sociais), Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2010.

ALMEIDA, Renato de Souza. Juventude e participação: novas formas de atuação juvenil na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2009.

BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica” [1986]. In AMADO, Janaína e FERREIRA, Marieta. Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1996.

CARRIL, Lourdes. Quilombo, favela e periferia: a longa busca da cidadania. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2006.

GAMA DA COSTA, Antonia. “Fazendo do nosso jeito”: o audiovisual a serviço da “ressignificação da favela”. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2009.

DAYRELL, Juarez. A música entra em cena: o rap e o funk na socialização da juventude. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2005a.

DAYRELL, Juarez. “Por uma pedagogia da juventude. Onda Jovem, São Paulo, n.1, p. 34-47, 2005b.

MAIA, Harika. Grupos, redes e manifestações: a emergência dos agrupamentos juvenis nas periferias de São Paulo. Mestrado (Ciências Sociais). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2014.

MARTUCELLI, Danilo. Gramáticas del indivíduo. Buenos Aires: Lousada, 2002.

MIRANDA, Waldilene S. Intelectuais “da periferia”: das ambivalências à (re)significação do imaginário nacional. Mestrado (Sociologia). Universidade Federal de Juiz de Fora, 2010.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. Produtores da periferia em São Paulo: perspectivas de profissionalização na área cultural. Relatório final de estágio de pós-doutorado. Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2017.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. É tudo nosso! Produção cultural na periferia paulistana. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Universidade de São Paulo, 2011.

NASCIMENTO, Érica Peçanha do. Literatura marginal: os escritores da periferia entram em cena. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social), Universidade de São Paulo, 2006.

NUNES, Ariel. Programa Cultura Viva: primeiras aproximações de um campo político. Anais do VI Seminário Internacional de Política Cultural, 2015. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa.

PAIS, J. M. Ganchos, tachos e biscates: jovens, trabalho e futuro. Porto, Âmbar, 2001.

SEGNINI, Liliana e BULLONI, Maria. Trabalho artístico e técnico na indústria cultural. São Paulo: Itaú Cultural, 2016.

SILVA, Livia Lima da. A literatura fora de lugar: a constituição de poetas e escritores nos saraus das periferias de São Paulo. Mestrado (Estudos culturais). Universidade de São Paulo, 2016.

SOUTO, Júlio. Combater a subcidadania disputando o jogo literário: contribuições ao estudo da literatura marginal periférica. Tese (Doutorado em Sociologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2014.

SPOSITO, Marilia. In: Sposito, Marilia. “Introdução: espaços públicos e tempos juvenis”. Espaços públicos e tempos juvenis: um estudo de ações do poder público em cidades de regiões metropolitanas brasileiras. São Paulo: Global, 2007, p. 5-43.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1994.

VILUTIS, Luana. “Cultura e juventude: a formação dos jovens nos Pontos de Cultura”. Dissertação (Mestrado em Cultura, Organização e Educação). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

27-04-2021

Como Citar

NASCIMENTO, Érica P. do. Quando poesia rima com trabalho: perspectivas profissionais a partir de um sarau literário. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 1, p. 18–33, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i1.25527. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/25527. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA