Estética de Glauber Rocha e as interfaces com o cinema documentário

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27757

Palavras-chave:

Cinema Novo, Glauber Rocha, documentário.

Resumo


Este estudo pretende refletir sobre alguns aspectos da estética cinematográfica de Glauber Rocha, olhando especificamente para as confluências que se estabelecem com a estética do cinema documentário. A intenção é problematizar como Glauber Rocha se apropria da linguagem documental para compor sua estética do real e materializar seu projeto poético e político em um tempo histórico e cultural que ficou conhecido pela efervescência da produção de uma arte de viés e tom extremamente político que buscava desvelar a realidade do povo brasileiro e sua identidade frente ao colonialismo cultural norte-americano. O pensamento do intelectual e cineasta baiano está impregnado justamente do espírito dessa época em que a produção da arte contemporânea passa por uma profunda mudança tanto no Brasil como na Europa, onde os artistas redefiniram suas estéticas entrelaçando-as com causas políticas e por sua vez empenhados em colocar a arte a serviço da mudança social. A estética do real que ‘soprava ventos’ nas vanguardas europeias reverberava no Brasil nos anos de 1960, sendo remodulada pela ótica glauberiana, introduzindo o povo brasileiro e suas realidades no novo cinema brasileiro. A estreita relação, e porque não dizer uma relação visceral, entre Cinema Novo e a busca por uma estética do real nos leva a refletir de que modo a diluição das fronteiras entre o cinema ficcional e o documentário reverberou e influenciou a composição da linguagem do Cinema Novo no Brasil. Para as reflexões tomamos como referência Nicholls (2005), Penafria (1999), Xavier (2001) e Simonard (2003).

Biografia do Autor

Rosselane Liz Giordani, Unioeste- Doutorado

Possui graduação em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (1998) e mestrado (2007) pelo Programa de Pós Graduação em Letras/Universidade Estadual Oeste do Paraná – Linguagem e Sociedade. Na pesquisa de Mestrado, na área de Linguística pesquisou as estratégias retóricas-discursivas no discurso jornalístico. Atualmente doutoranda em Letras, na linha de Pesquisa Literatura Linguagem Literária e Interfaces Sociais: Estudos Comparados, pesquisa as relações do discurso jornalístico com a linguagem literária.

Referências

AMENGHAL, Barthélémy. Glauber Rocha e os caminhos da liberdade. In: GERBER, Raquel. Glauber Rocha. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

BAZIN, Andre. O cinema – ensaios. São Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

BARRAVENTO. Direção: Glauber Rocha. Produção: Rex Schindler e Braga Neto. Salvador: Iglu filmes, 1961. (80 min) 35mm.

BENTES, Ivana (org.). Cartas ao mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

GALVÃO, Maria Rita; BERNARDET, Jean-Claude. Cinema: repercussão em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense, 1980.

NICHOLLS, Bill. Introdução ao documentário. Campinas: Papirus, 2005.

PENAFRIA, Manuela. O Filme Documentário: história, identidade, tecnologia. Lisboa: Edições Cosmos, 1999.

PENAFRIA, Manuela. Perspectivas de Desenvolvimento para o Documentarismo. BOCC - UBI. http://ubista.ubi.pt/~comum/welcome.html , 1999.

PENAFRIA, Manuela. O documentário segundo Bazin: Uma leitura de ‘O que é o Cinema?’ de André Bazin. In: Doc On-line, Nº 01, dezembro 2006, 202-210.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Embrafilme, 1981.

ROCHA, Glauber. O século do cinema. Rio de Janeiro: Alhama/Embrafilme, 1983.

ROCHA, Glauber. Revisão crítica do cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

ROCHA, Glauber. Experiência ‘Barravento’: confissão sem molduras. Diário de Notícias, Salvador, 1969.

SARACENI, Paulo César. Por dentro do Cinema Novo: minha viagem. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1993.

SALLES GOMES, Paulo Emílio. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra/EMBRAFILME, 1980.

SILVA JÚNIOR, Humberto Alves. Glauber Rocha e a estética do cinema documentário brasileiro. In: CÂMARA, Antonio Silva; LESSA, Rodrigo Oliveira (org.). Cinema Documentário Brasileiro em perspectiva. Salvador: EDUFBA, 2013.

SILVA JÚNIOR, Humberto Alves. Glauber Rocha: Cinema, estética e Revolução. Jundiaí, Paco Editorial, 2016.

SIMONARD, Pedro . Origens do Cinema Novo: a cultura política dos anos 50 até 1964. Achegas.net, Internet, v. 9, p. 4, 2003.

XAVIER, Ismail. O cinema brasileiro moderno. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

XAVIER, Ismail. Alegorias do desengano: a resposta do Cinema Novo à modernização conservadora, tese de Livre-docência, ECA/USP, 1989.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

GIORDANI, R. L. Estética de Glauber Rocha e as interfaces com o cinema documentário. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 145–159, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27757. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27757. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS