A representação feminina e as relações intersemióticas em Objetos Cortantes e Garota Exemplar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27767

Palavras-chave:

Objetos cortantes, Garota exemplar, Gillian Flynn, Representação feminina.

Resumo


Este trabalho faz parte de uma pesquisa de iniciação científica , cujo objetivo é analisar a representação feminina na literatura, na televisão e no cinema, tendo como corpus as versões literárias de Objetos Cortantes (2006) e de Garota Exemplar (2013), ambas da autora Gillian Flynn, e suas versões sincréticas homônimas, que têm como organizadores respectivamente Jean Mark Vallée (2018)  e David Fincher  (2014). Percebe-se que todas as obras de Flynn, tanto nas versões literárias quanto nas sincréticas homônimas, há predominância de figuras femininas marcantes, como podemos perceber pela protagonista de Objetos Cortantes (2006), Camille Preaker, e de Garota Exemplar (2013), Ammy. Nessas obras, podemos observar que as personagens principais possuem pontos comuns, sendo que o principal é que ambas fogem aos constructos sociais e patriarcais da sociedade, mesmo que de formas diferentes. Diante disto, o nosso trabalho foi construído a partir da seguinte questão de pesquisa: Como se dão as relações intersemióticas nas obras de Objetos Cortantes (2006) e Garota Exemplar (2013) levando em conta a presença da figura feminina? Deste modo, objetivamos compreender como se configura a representação feminina nestas adaptações televisiva e fílmica das obras literárias. Este trabalho foi realizado a partir de uma  metodologia bibliográfica, utilizando um aporte teórico que engloba Hutcheon (2011) e Martin (2006), os quais trazem considerações sobre relações intersemióticas e motivações econômicas para a construção de uma adaptação. Além disso, também utilizamos a obra organizada por Pinsky e Pedro (2012), que versa sobre a construção social e os papéis atribuídos à mulher através dos tempos.

Referências

BALOGH, Ana Maria. O discurso ficcional na TV. São Paulo: EDUSP, 2002.

DALCASTAGNÈ, R. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos De Literatura Brasileira Contemporânea, v. 26, p. 13-71.

FLYNN, Gillian. Garota Exemplar. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2013.

FLYNN, Gillian. Objetos Cortantes. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Tradução: André Cechinel. Florianópolis: Ed. Da UFSC, 2011.

PINSK, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana.Maria (org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012.

SCHWANTES, Cíntia. Dilemas da representação feminina. OPSIS, Catalão, v. 6, p. 07-19, 2006. Disponível em: http://www.catalao.ufg.br/historia/revistaopsis/sumarios/OPSIS2006/OPSIS2006_01_0.PDF. Acesso em: 22 fev. 2021.

SCOTT, Ana Sílvia. O caleidoscópio dos arranjos familiares. In: PINSK, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (org.). Nova História das Mulheres no Brasil. São Paulo: Editora Contexto, 2012. p. 15-42.

ZOLIN, Lúcia Osana. Questões de gênero e representação na contemporaneidade. Revista de Letras, n. 41, p. 183-195, jul./dez. 2010.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

PEREIRA, M. R.; ANDRADE, A. C. N. B. de. A representação feminina e as relações intersemióticas em Objetos Cortantes e Garota Exemplar. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 178–193, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27767. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27767. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS