Uma leitura alegórica do filme Paisagem na neblina, dirigido por Theo Angelopoulos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27772

Palavras-chave:

Angelopoulos, Paisagem na neblina, Odisseia, alegoria.

Resumo


O texto analisa a obra fílmica Paisagem na neblina (1988), de Theo Angelopoulos. A leitura está dividida em quatro momentos: o primeiro é consagrado à leitura da Odisseia, mais especificamente, à “Telemaquia”, pois os quatro primeiros cantos desta epopeia, supostamente, inauguram um lócus na literatura ocidental: a viagem em busca do pai, que ecoa fortemente na narrativa fílmica de Angelopoulos. Em seguida, visitamos os conceitos de Vaterland (pátria) e Heimat (terra natal) a fim de explorarmos a relação entre a origem genealógica e a identidade de Telêmaco. No terceiro momento, desenvolvemos o conceito de alegoria, segundo Walter Benjamin (2013), o qual fundamenta nossa interpretação. Por fim, propomos nossa leitura do filme, amparada pelos comentários precisos de David Bordwell (2008) e Andrew Horton (1997). Com isso, objetivamos mostrar como a identidade do homem moderno ligada à pátria ou à terra natal não é assim mais tão clara para a filosofia, como era na Odisseia, e nem para o “cinema do pós-guerra”, nas palavras de Bordwell (2008), ambos tencionam a relação entre origem genealógica, enraizamento, pátria e identidade.

Biografia do Autor

Gong Li Cheng, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Graduada em Licenciatura em Letras - Português, Espanhol e suas Literaturas pela UEMS. Atualmente, é mestranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Linguagens da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) - Unidade de Campo Grande. Tem como proposta de dissertação: Travessia dos umbrais da memória em Conhecimento do inferno, de António Lobo Antunes, sob orientação da profa. dra. Rosana Cristina Zanelatto Santos.  Tem interesse em Literatura Brasileira, Literatura Portuguesa, Literatura de Testemunho e nos temas: memória e temporalidade.

Referências

AMÉRY, Jean. Além do crime e do castigo: tentativas de superação. Tradução: Marijane Lisboa. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Tradução: João Barrento. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

BENJAMIN, Walter. O anjo da história. 2. ed. Tradução: João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

BORDWELL, David. Figuras traçadas na luz: a encenação no cinema. Tradução:

Maria Luiza Machado Jatobá. Campinas: Papirus, 2008.

CASSIN, Barbara (org.). Vocabulaire européen des philosophies. Paris: Seuil, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. História e narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 1994.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Filosofia é, na verdade, saudade (Heimweh). In. COSTA, Verlaine Freitas Rachel; PAZETTO, Debora (org.). O trágico, o sublime e a melancolia. v. 1. Belo Horizonte: Relicário Edições, 2016.

HOMERO. Odisseia. 3. ed. Tradução: Trajano Vieira. São Paulo: Editora 34, 2014.

HORTON, Andrew. The films of Theo Angelopoulos: a cinema of contemplation. New Jersey: Princeton University Press, 1997.

MALTA, André. A astúcia de ninguém: ser e não ser na Odisseia. Belo Horizonte: Impressões de Minas, 2018.

PAISAGEM na neblina. Theo Angelopoulos, 1988. Grécia/França e Itália.

SOUZA, Eneida Maria de. Crítica Cult. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

CHENG, G. L. Uma leitura alegórica do filme Paisagem na neblina, dirigido por Theo Angelopoulos. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 212–228, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27772. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27772. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS