Adaptação ecfrástica: sobre a presença da pintura no cinema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27773

Palavras-chave:

Adaptação ecfrástica, Intermidialidade, Cinema.

Resumo


O objetivo deste trabalho é refletir sobre a relação que se estabelece entre a adaptação e a écfrase no campo dos estudos em intermidialidades, propondo cunhar o termo adaptação ecfrástica e pensar sobre seus possíveis efeitos de sentido. Buscamos, em primeiro momento, discutir sobre a conceituação de écfrase defendida por Clüver (2017; 2017a), que exclui as mídias cinéticas, cotejando-a com as discussões de Elleström (2014; 2017) sobre écfrase e adaptação, e seus potenciais de representação e transmidiação; e Bugno-Narecka e Vieira (2020), que indicam a possibilidade de leitura em se relacionando écfrase e cinema. Em um segundo momento, propomos o entendimento da écfrase enquanto representação verbo-visual de uma representação verbo-voco-visual, ancorados sobretudo nas discussões de Hansen (2006) para, posteriormente, defendermos o que denominamos por adaptação ecfrástica. Para tanto, analisamos a interação adaptação-écfrase a partir de um exemplo da obra fílmica Filhos da esperança (2006), focalizando o processo de adaptação que se valeu do recurso da écfrase. Justificamos esta pesquisa pela necessidade de abertura dos referenciais teóricos, tanto da adaptação quanto da écfrase, aventando relações abertas para o estudo de ambas. Em síntese, percebemos que a écfrase quando compreendida enquanto representação verbal ou visual, pode incorporar mídias cinéticas, como o cinema, valendo-se de um processo de adaptação ecfrástica, cujos sentidos produzidos levam em conta tanto a écfrase na mídia de partida, quando na mídia de chegada, como constituinte e em conjunto ao procedimento de adaptação.

Biografia do Autor

Vanessa Luiza de Wallau, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Mestranda em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste/Cascavel). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).Graduada em Letras - Português e Espanhol pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Realeza).

Cleber da Silva Luz, Universidade Estadual de Maringá

Mestrando em Letras pela Universidade Estadual de Maringá (PLE/UEM). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Licenciado em Letras pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR/Campo Mourão).

Referências

BUGNO-NARECKA, Dominika; VIEIRA, Mirian de Paiva. Unveiling Ekphrasis on the Screen. VIS - Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UnB, v. 19, n. 2, p. 48-69, 2020.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. 33ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2019.

CLÜVER, Claus. A new look at an old topic: ekphrasis revisited. Todas as Letras, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 30-44, jan./abr. 2017.

CLÜVER, Claus. Ekphrasis and Adaptation. In: LEITCH, Thomas (ed.). The Oxford Handbook of Adaptation Studies. New York: Oxford University Press, 2017a.

DINIZ, Thaïs Flores Nogueira; SANTOS, Ariane Souza. Imagens em palavras: as cinco formas ecfrásticas nos poemas de Shawna Lemay. Todas as Letras, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 149-159, 2011.

ELLESTRÖM, Lars. Media Transformation: The transfer of media characteristics among media. UK: Palgrave Macmillan, 2014.

ELLESTRÖM, Lars. Midialidade: ensaios sobre comunicação, semiótica e intermidialidade. Ana Cláudia Munari Domingos, Ana Paula Klauck, Glória Maria Guiné de Melo (orgs.). Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017.

FILHOS da Esperança (Children Of Men). Direção: Alfonso Cuarón. EUA: Universal Pictures, 2006.

GARCIA, Gismara Rosane. Frames literários. A Ekphrasis n’O Conquistador. 2008; 199 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Literários) – Universidade Estadual Paulista Júlia de Mesquita Filho, Araraquara, 2008.

HANSEN, João Adolfo. Categorias epidíticas da ekphrasis. Revista USP, São Paulo, n. 71, p. 85-105, 2006.

HEFFERNAN, James A. W. Museum of Words: The Poetics of Ekphrasis from Homer to Ashbery. Chicago: University Chicago Press, 1993.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. André Cechinel (trad.) 2. ed. Florianópolis: UFSC, 2013.

LOUVEL, Liliane. Nuanças do pictural. Márcia Arbex (trad.). In: DINIZ, Thaïs Flores Nogueira (org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. p. 47-69.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Paulo Neves (trad.). São Paulo: Brasiliense, 2013.

MOSER, Walter. As relações entre as artes: por uma arqueologia da intermidialidade. Aletria, p. 42-65, jul./dez. 2006.

RAJEWSKY, Irina O. Intermidialidade, Intertextualidade e “Remediação”: Uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, Thaïs Flores Nogueira (org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012. p. 15-45.

RODOLPHO, Melina. Écfrase e evidência nas letras latinas: doutrina e práxis. São Paulo: Humanitas, 2012.

VIEIRA, Mirian de Paiva. Dimensões da écfrase: a presença da pintura e da arquitetura em romances de artista. 2016. 216 f. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

VIEIRA, Mirian de Paiva. Écfrase: de recurso retórico na antiguidade a fenômeno midiático na contemporaneidade. Todas as Letras, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 45-57, 2017.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

DE WALLAU, V. L.; LUZ, C. da S. Adaptação ecfrástica: sobre a presença da pintura no cinema. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 229–247, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27773. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27773. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS