Agressividade e violência na escola: olhares sobre a educação física

Alana Grunevald Crespan, Alvori Ahlert

Resumo


O presente ensaio teve como objetivo construir um referencial teórico sobre a violência nas aulas de educação física escolar. Com apoio na literatura, este ensaio evidencia a distinção entre agressividade e violência e analisa a violência na sociedade, na família e na escola, concluindo com os referenciais sobre a educação física escolar e a violência. Fica evidente a necessidade de uma política de educação com relação à violência escolar e o compromisso dos professores e professoras em desenvolver a consciência de seu papel na formação e no desenvolvimento da personalidade de seus alunos através do desenvolvimento da socialização, cooperação, da construção de limites, instigando para o diálogo e para a formação de alunos críticos e responsáveis por suas ações. 

 

Palavras-chave


Agressividade; Violência; Educação Física.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, M. Enfrentando a violência nas escolas: um informe do Brasil. In: UNESCO. Violência na escola: América Latina e Caribe. Brasília: UNESCO, 2003. p. 85-150.

ABRANCHES, S. H. H. A alienação da autoridade: notas sobre a violência urbana e criminalidade. In: VELLOSO, J. P. R. Governabilidade, sistema político e violência urbana. Rio de Janeiro: José Olympio, 1994.

AHLERT, A. Inseparabilidade entre ética e cidadania no contexto da educação escolar. Espacios en Blanco (Dossier la violencia y las comunidades escolares, Acercamientos a un fenómeno diverso) Buenos Aires, v. 17, n. 17, p. 235-59, 2007.

BARBOSA, C. L. A. Educação física escolar: as representações sociais. Rio de Janeiro: Shape, 2001.

BETTI, M. A janela de vidro: esporte, televisão e educação física. Campinas: Papirus, 1998.

BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 1995.

COLOMBIER, C.; MANGEL, G.; PERDRIAULT, M. A violência escolar. São Paulo: Summus, 1989.

DIAS, K. P. Educação física x violência. Rio de Janeiro: Sprint, 1996.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 1: a vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1999.

FROMM, E. Anatomia da destrutividade humana. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

GUIMARÃES, A. M. Escola: espaço de violência e indisciplina. 1999. Nas Redes da Educação, Revista Digital, Campinas, 1999. Disponível em: . Acessado em: 29 de novembro de 2015.

HOKINO, M. H.; CASAL, H. M. V. A aprendizagem do judô e os níveis de raiva e agressividade. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 6, n. 31, 2001. Disponível em: . Acessado em: 14 de junho de 2016.

MAY, R. Poder e inocência: uma análise das fontes da violência. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

MBEMBE, A. Necropolítica seguido de sobre el gobierno privado indirecto. Barcelona: Melusina, 2011.

MEDINA, J. P. S. A educação física cuida do corpo... e “mente”. 7. ed. Campinas: Papirus, 1987.

MENDOZA-ALVAREZ, C. El papel de la existência kairológica como crítica al sistema hegemônico y a la violência global. In: VITÓRIO, J.; GODOY, M. (Orgs.). Tempos do espírito: inspiração e discernimento. São Paulo: Paulinas, 2016. p. 31-42.

MENEGHEL, S. N.; GIUGLIANI, E. J.; FALCETO, O. Relações entre violência doméstica e agressividade na adolescência. Caderno Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 327-335, 1998.

MUSSEN, P. H.; CONGER, J. J.; KAGAN, J. Desenvolvimento e personalidade da criança. 3. ed. São Paulo: Harbra; 1995.

PEREIRA, B. O. Para uma escola sem violência: estudo e prevenção das práticas agressivas entre crianças. Porto: FCG & FCT, 2002.

PERES, L. S. A prática pedagógica dos professores de educação física: atitudes de violência no contexto escolar. 2005. 326f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.

PIVA, M.; SAYAD A. Alta tensão. Educação, São Paulo, v. 26, n. 227, p. 34-45, 2000.

QUEIROZ, B.; RIBAS, D.; ABADDI, L.; DECIAN, M. R.; COPETTI, R. M.; BEUTER, C. R. Agressividade nas aulas de educação física. Jornada de Pesquisa 2006. Santa Maria: ULBRA, 2006.

SANTOS, H. O. Crianças violadas. Brasília: Ministério da Ação Social. Centro Brasileiro para a Infância e Adolescência. Governo do Brasil, 1991.

SARRETA, E.; SATO, N. C. Violências nas escolas: a percepção de professores licenciandos. Universidade Católica de Brasília. Disponível em: . Acessado em: 29 de novembro de 2015.

THOMAS, A. Esporte: introdução à psicologia. Rio de Janeiro: Ao livro Técnico, 1983.

VALOR. Brasil lidera em número de homicídios no mundo, diz Atlas da Violência. Disponível em: . Acessado em: 20 de julho de 2016.

VASCONCELLOS, A. T. M.; KREBS, R. J.; COPETTI, F.; BELTRAME, T. S.; USTRA, M. Perspectivas para o desenvolvimento infantil. Santa Maria: SIEC, 1999.

VENTURINI, F. P.; BAZON, M. R.; BIASOLI-ALVES, Z. M. M. Família e violência na ótica de crianças e adolescentes vitimizados. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 20-33, 2004.

ZALUAR, A. Da revolta ao crime. São Paulo: Moderna, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais



Caderno de Educação Física e Esporte

Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Campus de Marechal Cândido Rondon

Rua Pernambuco, 1777 | Centro

Marechal Cândido Rondon | Paraná | 85960-000

F: (45) 3284 7855

E-mail: revista.cefe@unioeste.br

Facebook: https://www.facebook.com/RevistaCEFE/