Inclusão de pessoas com deficiência na educação física escolar: um desafio possível ou utopia?

Leonardo Tavares Martins, Rubens Venditti Junior, Ivan Wallan Tertuliano, Adriana Noda Brum, Mailla Evangelista Lima, Thiago Camargo Alves Rocha

Resumo

Objetivo: Identificar relações entre formação universitária e as habilidades docentes necessárias para o êxito da inclusão de crianças com deficiência na Educação Física Escolar (EFE), mais especificamente no ensino básico (Ensino Fundamental e Médio) e compreender se os professores de EFE estão preparados para atuar com pessoas com deficiência (PCD’s). Métodos: A pesquisa foi desenvolvida a partir da aplicação de um questionário semiestruturado de sete questões (quatro fechadas e três abertas), respondido por 32 professores do Ensino Fundamental e Médio, de 15 escolas da Cidade de São Paulo. Resultados: Os resultados mostram que dentre os entrevistados, apenas 31,2% dos professores deixam o ensino superior sentindo-se preparados para enfrentar a realidade inclusiva, considerando a formação acadêmica suficiente para sua atuação. Os maiores desafios destacados pelos professores atuantes com alunos PCD´s foram: falta de conhecimento e conceitos; infraestrutura; frustração dos alunos; motivação do grupo de educadores e preconceito quanto a pessoa com deficiência (PCD). Esta informação e o primeiro item destacado trazem dados aparentemente contraditórios, pois 78% dos professores mencionaram ter tido aulas com o conteúdo de Educação Física Adaptada (EFA) e, mesmo assim, indicam não dominarem o conteúdo sobre a forma de se trabalhar a inclusão e aplicá-la efetivamente na atuação escolar. Conclusão: Os resultados levam a concluir acerca da necessidade de se repensar a formação dos profissionais de educação física atuantes na rede regular de ensino, para que esses, de forma vantajosa e positiva, trabalhem a inclusão e participação de alunos PCD´s efetivamente na EFE, desde a formação acadêmica adequada até estratégias de formação continuada e atualizações profissionais durante a carreira educacional.

ABSTRACT. Handicapped people’s inclusion at physical education: a possible challenge or utopia? Objective: To identify relationships between university education and the teaching skills necessary for the successful inclusion of children with disabilities in Physical Education (EFE), specifically in elementary and middle schools, and to understand if teachers of EFE are prepared to work with people with disabilities (PCD’s). Methods: The research was developed from the application of a semi-structured questionnaire of seven questions (four closed and three open), answered by 32 teachers from Elementary and Middle School, from 15 schools in the City of São Paulo. Results: The results show that among the interviewees, only 31.2% of teachers leave higher education feeling prepared to face the inclusive reality, considering the academic formation sufficient for their performance. The major challenges highlighted by the teachers with PCD’s were: lack of knowledge and concepts; infrastructure; students frustration; motivation of the group of educators and prejudice regarding the public person with disabilities (PCD). This information and the first item highlighted bring seemingly contradictory data, since 78% of teachers mentioned having had classes with Adapted Physical Education (EFA) content and, even so, indicate not master the content on the way to work to include and apply it effectively in school activities. Conclusion: The results lead us to conclude about the need to rethink the training of physical education professionals working in the regular education network, so that these, in an advantageous and positive way, work the inclusion and participation of PCD students effectively in EFE, from the adequate academic training to continuing education strategies and professional updates during the educational career.

Palavras-chave

Educação Física; Inclusão escolar; Formação Profissional

Texto completo:

PDF

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BORTOLUZZI, M. B.; LEITÃO, A.; FERREIRA, F. M.; MARTINS, M. Z.; PRODÓCIMO, E. Epistemologia em questão: a educação física na visão dos pós-graduandos da FEF-UNICAMP. Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 1, p. 237-50, 2018.

BRASIL. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: . Acessado em: 29 de outubro de 2018.

BRASIL. Decreto no 6.571, Atendimento Educacional Especializado, de 17 de setembro de 2008. 2008. Disponível em: . Acessado em: 29 de junho de 2017.

BRUM, A. N.; LIMA, M. E.; ROCHA, T. C. A. Inclusão de pessoas com deficiência nas escolas da zona sul da cidade de São Paulo: aspectos inclusivos na EF escolar. 2010. 46f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Educação Física) - Centro Universitário Adventista de São Paulo, São Paulo, 2010.

FERREIRA, F. M.; DAOLIO, J. Educação física escolar e inclusão: alguns desencontros. Kinesis, Santa Maria, v. 2, n. 32, p. 52-68, 2014.

FREITAS, S. N.; CASTRO, S. F. Representação social e educação especial: a representação de alunos com necessidades educativas especiais incluídas na classe comum do ensino regular. Educação Online, Revista Digital. 2004. Disponível em: . Acessado em: 15 de outubro de 2013.

GAYA, A.; GAYA, A. O esporte como manifestaçãoda cultura corporal do movimento. In: NASCIMENTO, J. V.; RAMOS, V.; TAVARES, F. (Orgs.). Jogos desportivos: formação e investigação. Florianópolis: UDESC, 2013. p. 41-55.

GLAT, R.; PLETSCH, M. D. O papel da universidade frente às politicas públicas para educação inclusiva. Revista Benjamin Constant, Brasília, v. 10, n. 29, p. 3-8, 2004.

GOMES, I. M.; ALMEIDA, F. Q.; BRACHT, V. O local da diferença: desafios à educação física escolar. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 1-15, 2010.

GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. 3. ed. Barueri: Manole, 2013.

LATÂNCIA, M. P. Aspecto motor x aspecto psicológico na deficiência física: uma sugestão de integração. Jundiaí: Fontoura, 2001.

MANTOAN, M. T. E. Caminhos pedagógicos da inclusão: como estamos implementando a educação (de qualidade) para todos nas escolas brasileiras. São Paulo: Memnon, 2001.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Summus, 2015.

MEDEIROS, J.; FALKENBACH, A. P. A relação professora/aluna com necessidades especiais nas aulas de educação física da escola comum. Lecturas: Educación Física y Deportes, Buenos Aires, v. 12, n. 117, p. 1-5, 2008. Disponível em: . Acessado em: 28 de novembro de 2018.

MORI, C. O.; SOUZA, M. A.; PEREIRA, P. E.; LAURIA, V. Educação física adaptada: a formação do professor e a participação de pessoas com deficiência no ensino regular. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 12, n. 77, p. 730-3, 2018.

NASCIMENTO, J. V. Preparação profissional em educação física e desporto: novas competências profissionais. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. S. (Orgs.). Pedagogia do desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 193-203.

SACKS, O. W. Um antropólogo em marte. São Paulo: Cia. das Letras, 1995.

SALAMANCA. Ministério da Educação. 1994. Declaração de Salamanca. Disponível em: . Acesso em: 29 de junho de 2017.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

TERTULIANO, I. W.; VENDITTI JR., R.; OLIVEIRA, V. Educação física, diversidade humana e inclusão escolar: olhares sociais e psicológicos para a pessoa com deficiência. In: ROLIM, R. M.; BATISTA, E. D.; SILVA, G. H. G. (Orgs.). Psicologia do esporte: perspectivas de atuação na escola. São Paulo: Alexa Cultural, 2017. p. 27-48.

VENDITTI JÚNIOR, R. Autoeficácia docente e motivação para a realização do(a) professor(a) de educação física adaptada. Curitiba: CRV, 2014.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';