ACIDENTES DE TRABALHO RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES AGRÍCOLAS

Autores

  • João Nilson Ambrosi
  • Marcio Furlan Maggi

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v2i1.7887

Resumo


Com a modernização da agricultura, a expansão da mecanização agrícola foi evidente, contribuindo com um ambiente mais arriscado e insalubre aos trabalhadores rurais prejudicando assim, a saúde ocupacional. Neste contexto, o objetivo do trabalho foi identificar os principais setores das atividades agrícolas em um pequeno extrato no sudoeste do Paraná, em que ocorrem maior número de acidentes de trabalho, definindo assim, suas causas. A pesquisa foi realizada no município de Coronel Vivida, na comunidade do Rio Quieto. Foram amostrados 50 trabalhadores rurais. Com base nos resultados obtidos estatisticamente, constatou-se que ocorreram 115 acidentes de trabalho, dos quais, 64% estão relacionados à agropecuária e 36% à agricultura. Todos os agricultores fazem uso de agrotóxicos em suas propriedades, entretanto, os equipamentos de proteção são utilizados por 76% dos trabalhadores. Os resultados apontaram que os tipos de acidentes de trabalho mais frequentes foram com máquinas (45%) e ferramentas manuais (33%). Quanto às causas, as principais foram distração/brincadeira, excesso de confiança e ausência de EPI/EPC. Da mesma forma, as partes do corpo mais afetadas foram as mãos (43%), membros inferiores (15%), tórax e costas (11%). A maioria das propriedades possui equipamentos acionados pela TDP, totalizando 90% dos casos. A utilização do EPI/EPC, formação escolar, idade, treinamento dos trabalhadores, programas de prevenção e conscientização, são fatores de suma importância para prevenção e redução dos acidentes de trabalho nas atividades agrícolas.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

AMBROSI, J. N.; MAGGI, M. F. ACIDENTES DE TRABALHO RELACIONADOS ÀS ATIVIDADES AGRÍCOLAS. Acta Iguazu, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 1–13, 2000. DOI: 10.48075/actaiguaz.v2i1.7887. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/7887. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS