Comparação de testes indiretos de avaliação da aptidão cardiorrespiratória com a ergoespirometria

Autores

  • Edilson Hobold Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
  • Lírio Levandoski Junior Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
  • Fernando de Souza Campos Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
  • Lucinar Forner Flores Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)
  • Miguel de Arruda Universidade de Campinas (Univamp)

Palavras-chave:

aptidão cardiorrespiratória, ergoespirometria, testes indiretos.

Resumo


O presente estudo teve como objetivo comparar três testes indiretos de avaliação da aptidão cardiorrespiratória com o teste direto de análise de gases em adolescentes escolares do sexo masculino entre 13 e 14 anos. A amostra foi composta por 15 garotos de 13,5 ± 1,03 anos. Utilizou-se a estatística descritiva (média e desvio padrão), além da correlação linear de Pearson (r) e teste “t” de Student para dados pareados, adotando dois níveis de significância p<0,05 e p<0,01. Os resultados apontaram uma correlação forte (r=0,78) para o teste de “vai-e-vem” de 20 metros, apresentando valores estatisticamente significativos (t = -0,843, p<0,01). No teste de uma milha observou-se uma correlação moderada (r=0,62; t =2,164; p<0,05). Já no teste de Cooper se observou uma correlação fraca (r = 0,44; t = 3,181; p>0,05). Estes resultados parecem evidenciar que o teste de “vai-e-vem” de 20 metros foi o teste mais preciso para avaliar indiretamente a aptidão cardiorrespiratória na faixa etária de 13 e 14 anos neste estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edilson Hobold, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste)

Curso de Educação Física - Bacharelado da UNIOESTE-PR.

Grupo de Pesquisa em Pedagogia do Esporte da UNIOESTE-PR.

Miguel de Arruda, Universidade de Campinas (Univamp)

Programa de Pós-Graduação em Educação Física da FEF/UNICAMP-SP.

Referências

ACSM. Guidelines for Exercise Testing and Prescription. 6. ed. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins, 2000.

ACSM. ACSM’s guidelines for exercise testing and prescription. 4. ed. Philadelphia: Lea & Febiger, 1991.

AAHPERD. Health related physical fitness technical manual. Virginia: Reston, 1984.

BANGSBO, J.; IAIA, M.; KRUSTRUP, P. The yo–yo intermittent recovery test: a useful tool for evaluation of physical performance in intermittent sports. Sports Medicine, Auckland, v. 38, n. 1, p. 37-51, 2008.

BARROS, V. G.; CUNHA, F. J. P.; SILVA JUNIOR, A. G. Educação física escolar na perspectiva da promoção da saúde. Corporis, Recife, v. 2, n. 2, p. 47-53, 1997.

CARMINATTI, L. J.; LIMA-SILVA, A. E.; DE-OLIVEIRA, F. R. Aptidão aeróbia em esportes intermitentes: evidencias de alidade de construto e resultados em teste incremental com pausas. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 120-1, 2004.

COOPER INSTITUTE FOR AEROBICS RESEARCH. The prudential fitnessgram test administration manual. Dallas: Author, 1999.

COOPER, K. H. A means of assessing maximal oxygen uptake. Journal of the American Medical Association, Dallas, v. 15, n. 203, p. 201-204, 1968.

DENADAI, B. S. Fatores fisiológicos associados com o desempenho em exercícios de média e longa duração. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, Pelotas, v. 1, n. 4, p. 82-91, 1996.

DIAZ, F. J.; MONTANO, J. G.; MELCHOR, M. T.; GUERRERO, J. H.; TOVAR, J. A. Validation and reliability of the 1,000 meter aerobic test. Revista Investigación Clínica, México, v. 52, n. 1, p. 44-51, 2000.

DUARTE, M. F. S. Maturação física: uma revisão da literatura, com especial atenção à criança brasileira. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 71-84, 1993.

DUARTE, M. F. S.; DUARTE, C. R. Validade do teste aeróbico de corrida de vai-e-vem de 20 metros. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 9, n. 3, p. 7-14, 2001.

FLETCHER, G. F.; BALADY, G. J.; AMSTERDAM, E. A.; CHAITMAN, B.; ECKEL, R.; FLEG J.; FROELICHER, F.; LEON, A. S.; PIÑA, L. L.; RODNEY, R.; SIMONS-MORTON, D. A.; WILLIAMS, M. A.; BAZZARRE, T. Exercise standards for testing and training: a statement for healthcare professionals from the American Heart Association. Circulation, Baltimore, v. 104, n. 14, p. 1694-740, 2001.

FRANKENBURG, W. K.; DODDS, J.; ARCHER, P.; SHAPIRO, H.; BRESNICK, B. Denver II: training manual. 2. ed. Denver: Denver Developmental Materials, 1992.

GORDON, C. C.; CHUMLEA, W. C.; ROCHE, A. F. Stature, recumbent length, and weight. In: LOHMAN, T. G.; ROCHE, A. F.; MARTORELL, R. (Eds.). Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics, 1991. p. 3-8.

GUEDES, D. P.; GUEDES, J. E. R. P. Manual prático para avaliação em educação física. Barueri: Manole, 2006.

HARRISON, G. G.; BUSKIRK, E. R.; CARTER, J. E. L.; JOHNSTON, F. E.; LOHMAN, T. G.; POLLOCK, M. L.; WILMORE, J. Skinfold thicknesses and measurement technique. In: LOHMAN, T. G.; ROCHE, A. F.; MARTORELL, R. (Eds.). Anthropometric standardization reference manual. Champaign: Human Kinetics, 1991. p. 44-5.

IULIANO, B. A.; FRUTUOSO, M. F. P.; GAMBARDELLA A. M. D. Anemia em adolescentes segundo maturação sexual. Revista de Nutrição, Campinas, v. 17, n. 1, p. 37-43, 2004.

KRAVCHYCHYN, A .C. P.; ALVES, J. C. C.; KRAVCHYCHYN, T. P.; NOGUEIRA, G. A.; MACHADO, F. A. Comparação entre os métodos direto e indireto de determinação do VO2max de praticantes de corrida. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 21, n. 1, p.17-21, 2015.

LAURENTINO, G. C.; PELLEGRINOTI, I. L. Alterações nos valores de consumo máximo de oxigênio (VO2máx) na aplicação de dois programas de exercícios com pesos em indivíduos do sexo masculino. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 97-106, 2003.

LÉGER, L.; MERCIER, D.; GADOURY, C.; LAMBERT, J. The multistage 20 metre schuttle run test for aerobic fitness. Journal of Sports Sciences, Abingdon, v. 6, n. 2, p. 93-101, 1988.

LOHMAN, T. G. Applicability of body composition techniques and constants for children and youth. Journal of Physical Education, Recreation and Dance, Terre Haute, n. 58, v. 9, p. 98-102, 1986.

McARDLE, W. D.; KATCH, F. I.; KATCH, V. L. Exercise physiology. Philadelphia: Lea and Fabiger; 1981.

MACHADO, F. A.; DENADAI, B. S. Predição da potência aeróbia (VO2max) de crianças e adolescentes em teste incremental na esteira rolante. Motriz, Rio Claro, v. 19 n. 1, p. 126-32, 2013.

MAHSEREDJIAN, F.; BARROS NETO, T. L.; TEBEXRENI, A. S. Estudo comparativo de métodos para a predição do consumo máximo de oxigênio e limiar anaeróbio em atletas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 5, n. 5, p. 167-72, 1999.

MARTIN, R. H. C. UEZU, R.; PARRA, S. A.; ARENA, S. S.; BOJIKIAN, L. P.; BOHME, M. T. S. Auto-avaliação da maturação sexual masculina por meio da utilização de desenhos e fotos. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 212-22, 2001.

MARTÍNEZ-LAGUNAS, V.; HARTMANN, U; Validity of the yo-yo intermittent recovery test level 1 for direct measurement or indirect estimation of maximal oxygen uptake in female soccer players. International Journal of Sports Physiology and Performance, Leipzig, v. 9, n. 1, p. 825-31, 2014.

MONTORO, S. B.; MENDES, R. T.; ARRUDA, M.; ZEFERINO, A. M. B. Aptidão aeróbia de crianças e adolescentes obesos: procedimentos de controle. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, João Pessoa, v. 7, n. 19, p. 62-70, 2009.

NCHS. National Center for Health Statistics. Growth charts for the United States: methods and development. Vital and Health Statistics, s. 11, n. 246, 2002. Disponível em: <https://www.cdc.gov/nchs/data/series/sr_11/sr11_246.pdf>. Acessado em: 18 de novembro de 2016.

PEREIRA, F. L.; MEDEIROS, G. S.; OLIVEIRA, V. E. R.; MALDONADO, L.; SANTOS, L. Análise comparativa entre testes direto e indireto para predição de VO2max em jogadores de futsal universitário. Lectures: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 15, n. 148, 2010. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd148/teste-para-predicao-de-vo2-max-em-jogadores-de-futsal.htm>. Acessado em: dia do mês do ano.

PESERICO, C. S.; MEZZAROBA, P. V.; NOGUEIRA, G. A.; MORAES, S. M. F.; MACHADO, F. A. Comparação entre os métodos direto e indireto de determinação do consumo máximo de oxigênio em mulheres corredoras. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 17, n. 14, p. 270-3, 2011.

RONDON, M. U. P. B.; FORJAZ, C. L. M.; NUNES, N.; AMARAL, S. L.; BARRETTO, A. C. P.; NEGRÃO, A. L. C. E. Comparação entre a prescrição de intensidade de treinamento físico baseado na avaliação ergométrica convencional e na ergoespirométrica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro, v. 70, n. 1, p. 159-66, 1998.

SANTOS, M. A. A. Análise da prescrição e da aplicabilidade do consumo de oxigênio de reserva durante o exercício aeróbio contínuo nas intensidades de 50% a 80% do consumo máximo de oxigênio. 2007. 148f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2007.

SILVA, L. G. M.; PACHECO, M. E.; CAMPBELL, C. S. G.; BALDISSERA, V.; SIMOES, H. G. Comparação entre protocolos diretos e indiretos de avaliação da aptidão aeróbia em indivíduos fisicamente ativos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, São Paulo, v. 11, n. 4, p. 219-23, 2005.

SILVA, G.; OLIVEIRA, N. L.; AIRES, L.; MOTA, J.; OLIVEIRA, J.; RIBEIRO, J. C. Calculation and validation of models for estimating VO2max from the 20-m shuttle run test in children and adolescents. Archives Exercise Health, Porto, v. 3, n. 1-2, p. 145-52, 2012.

TANNER, J. Growth at adolescence. Blackwell Scientific Publication: Oxford, 1962.

TRITSCHLER, K. A. Medida e avaliação em educação física e esportes de Barrow & McGee. Barueri: Manole, 2003.

Downloads

Publicado

13.11.2017

Como Citar

HOBOLD, E.; LEVANDOSKI JUNIOR, L.; CAMPOS, F. de S.; FLORES, L. F.; ARRUDA, M. de. Comparação de testes indiretos de avaliação da aptidão cardiorrespiratória com a ergoespirometria. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 14, n. 2, p. 45–53, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/16684. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Atividade Física relacionada à Saúde