Lendo o mundo nas aulas de educação física no ensino médio: por uma ecologia de saberes contra-hegemônicos sobre as práticas corporais e o corpo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27119

Palavras-chave:

Educação Física, Ensino Médio, Leitura de Mundo, Ecologia de Saberes.

Resumo


OBJETIVO: Relatar uma experiência político-pedagógica que ampliou a leitura de mundo dos estudantes do Ensino Médio sobre os conhecimentos contra-hegemônicos produzidos sobre as práticas corporais e o corpo durante as aulas de Educação Física. 
MÉTODOS: Foi relatada uma experiência educativa com estudantes do 1º ano do curso de Eletrônica integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de São Paulo – Campus SP, entre os meses de agosto e dezembro de 2020. A turma possui aproximadamente 40 alunos e o currículo é constituído por duas aulas semanais de Educação Física. 
RESULTADOS: Os estudantes realizaram uma leitura crítica do mundo sobre os saberes contra-hegemônicos sociais, políticos, econômicos, históricos, biológicos e fisiológicos que se relacionam com as práticas corporais e o corpo, produzidos pela literatura científica e movimentos sociais, durante as aulas do componente curricular. 
CONCLUSÃO: Ao fazer um diálogo entre os conceitos de leitura de mundo e ecologia de saberes contra-hegemônicos, produzidos por Paulo Freire e Boaventura de Sousa Santos, passamos a defender que a função social das aulas de educação física está relacionada com a leitura crítica do mundo dos saberes produzidos sobre as danças, lutas, esportes, ginásticas, jogos, brincadeiras e a relação da sociedade com o corpo, pelos grupos que foram marginalizados no sistema capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Teixeira Maldonado, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP)

Doutor em Educação Física pela Universidade São Judas. Professor de Educação Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Uirá de Siqueira Farias, Universidade São Judas (USJT)

Doutorando em Educação Física na Universidade São Judas. Docente de Educação Física da rede pública de ensino (Santo André e São Paulo).

Valdilene Aline Nogueira, Universidade São Judas (USJT)

Doutorando em Educação Física da Universidade São Judas. Docente da Universidade de Guarulhos. Coordenadora Pedagóica do munícipio de São Paulo.

Referências

ALTMANN, H. Educação física escolar: relações de gênero em jogo. São Paulo: Cortez, 2015.

ARROYO, M. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

BAUMAN, Z. Capitalismo parasitário. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BLAY, E. Al. Como as mulheres se construíram como agentes políticas e democráticas. In: BLAY, E. A.; AVELAR, L. 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile: a construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Edusp, 2017. p. 65-98.

BONETTO, P. X. R. “Craftando” um currículo cultural de educação física: uma experiência pedagógica com o jogo Minecraft. In: NEIRA, M. G. Educação física cultural: o currículo em ação. São Paulo: Labrador, 2017. p. 178-89.

BOSSLE, F. A história como tempo de possibilidades... In: SILVA, M. E. H.; MARTINS, R. M. Pressupostos freireanos na educação física escolar: ação e movimentos para a transformação. Curitiba: CRV, 2020. p. 17-22.

BROWN, M. Fórmula mágica da paz. Racionais MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 121-32.

CANDAU, V. M. Diferenças, educação intercultural e decolonialidade: temas insurgentes. Revista Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 13, n. Esp., p. 678-86, 2020.

CARVALHO, Y. M. Entre o biológico e o social. Tensões no debate teórico acerca da saúde na educação física. Motrivivência, Florianópolis, v. 17, n. 24, p. 97-105, 2005.

COELHO, M. C.; ROCHA, L. O.; NUNES, L. de O.; MÜLLER, K. de A.; CONCEIÇÃO, V. J. dos S.; BOSSLE, F. . Negritude, pedagogia crítica e Educação Física Escolar: uma possibilidade de diálogo entre Aimé Césaire e Paulo Freire. In: BOROWSKI, E. B. V.; MEDEIROS, T. N.; BOSSLE, F. Por uma perspectiva crítica na educação física escolar: ensaiando possibilidades. Curitiba: CRV, 2020. p. 143-52.

CORSINO, L. N.; CONCEIÇÃO, W. L. Educação física escolar e relações étnico-raciais: subsídios para a implementação das Leis 10.639/03 e 11.645/08. Curitiba: CRV, 2016.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2011a.

FREIRE, P. Ação cultural para a libertação e outros escritos. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011b.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 59. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015a.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015b.

FREIRE, P. Conscientização. São Paulo: Cortez, 2016.

FRAGA, A. B. A boa forma de João e o estilo de vida de Fernanda. In:

LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 96-108.

GUAJAJARA, S. Educação indígena: esperança de cura para tempos de enfermidade. In: CÁSSIO, F. Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019. p. 171-4.

GOELLNER, S. V. A educação dos corpos, dos gêneros, e das sexualidades e o reconhecimento da diversidade. Cadernos de Formação RBCE, Campinas, v. 1, n. 2, p. 71-83, 2010.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

HOOKS, B. Erguer a voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019.

KRENAK, E. O indígena como usuário da lei: um estudo etnográfico de como o movimento da literatura indígena entende e usa a Lei nº 11.645/2008. Caderno Cedes, Campinas, v. 39, n. 9, p. 321-56, 2019.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 7. ed. Ijuí: Unijuí, 2006.

MALDONADO, D. T. Professores e professoras de educação física progressistas do mundo, uni-vos. Curitiba: CRV, 2020.

MALDONADO, D. T.; BOCCHINI, D. Os jogos de tabuleiro na escola pública: as três dimensões do conteúdo e o desenvolvimento do pensamento crítico. Revista Brasileira de Educação Física Escolar, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 44-53, 2015.

MALDONADO, D. T.; FARIAS, U. de S.; NOGUEIRA, V. A. Educação física e linguagem: por uma ecologia de saberes das práticas corporais na educação básica. In: MALDONADO, D. T.; FARIAS, U. de S.; NOGUEIRA, V. A. Linguagens na educação física escolar: diferentes formas de ler o mundo. Curitiba: CRV, 2021. p. 223-38.

NASCIMENTO, A. O genocídio no negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectivas, 2016.

NASCIMENTO, A. S.; VIEIRA, A. Tematizando o rap na escola: dias de luta ou dias de glória. In: NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F.; LIMA, M. E. Educação física e culturas: ensaios sobre a prática. Vol. 2. São Paulo: FEUSP, 2014. p. 261-82.

NEIRA, M. G. Educação física cultural: inspiração e prática pedagógica. Jundiaí: Paco, 2018.

NEIRA, M. G.; NUNES, M. L. F. Pedagogia da cultura corporal: críticas e alternativas. 2. ed. São Paulo: Phorte, 2008.

NOBREGA, C. C. dos S. Por uma educação física antirracista. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 34, n. Esp., p. 51-61, 2020.

NOGUEIRA, V. A.; ARAÚJO, A. C. de; FARIAS, Ude S.; MALDONADO, D. T. Metodologias ativas e pensamento freiriano: a formação inicial da Educação Física em diálogo. In: SILVA, M. E. H.; MARTINS, R. M. Pressupostos freireanos na educação física escolar: ação e movimentos para a transformação. Curitiba: CRV, 2020. p. 111-24.

PALMA, A. A saúde sob o olhar dos estudos socioculturais. In: RECHIA, S. (Org.). Dilemas e desafios da pós-graduação em educação física. Ijuí: Unijuí, 2015. p. 205-18.

ROCK, E. Mágico de Oz. Racionais MC’S. Sobrevivendo no inferno. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 113-8.

SCHWARCZ, L. M. Sobre o autoritarismo brasileiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E.; CASTELLANI FILHO, L.; ESCOBAR, M. O.; BRACHT, V. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

SOUSA SANTOS, B. Um ocidente não-ocidentalista? A filosofia à venda, a douta ignorância e a aposta de Pascal. In: SOUZA SANTOS, B.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. p. 519-62.

SOUSA SANTOS, B. Na oficina do sociólogo artesão: aulas 2011-2016. São Paulo: Cortez, 2018.

SOUSA SANTOS, B. O fim do império cognitivo: a afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2020.

SOUZA, J. Subcidadania brasileira: para entender o país além do jeitinho brasileiro. Rio de Janeiro: Leya, 2018.

Downloads

Publicado

01.09.2021

Como Citar

MALDONADO, D. T.; FARIAS, U. de S.; NOGUEIRA, V. A. Lendo o mundo nas aulas de educação física no ensino médio: por uma ecologia de saberes contra-hegemônicos sobre as práticas corporais e o corpo. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 183–190, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27119. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27119. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade