Uma androide consciente em westworld: referências para pensar procedimentos autorais na Educação

Autores

Palavras-chave:

conscientização, narrativa digital, procedimentos autorais, imaginação

Resumo


Os projetos educacionais que buscam a promoção da conscientização, da criatividade e da imaginação são complexos, pois ao mesmo tempo em que valorizam a autoria, também podem sufocá-la. Desta forma, procurou-se um caminho ficcional que colaborasse com a compreensão de como, de uma maneira objetiva, pode ser favorecida junto aos estudantes a reflexão crítica sobre sua própria existência, que seria a conscientização (FREIRE, 2018). A criação experimental de personagens como procedimento autoral pode ser um caminho prático nessa direção. Para discutir essa possibilidade, buscou-se analisar a diegese da série de televisão Westworld (HBO, 2016), com foco específico em uma personagem que percorre um caminho rumo à conscientização, pois ela é um androide que se liberta de suas funções preestabelecidas e decide “escrever” a sua própria história. Este texto, assim, é um ensaio de cunho filosófico que interpreta Westworld como uma narrativa digital (MURRAY, 2013), que pode ser desmembrada e observada. A partir daí, se faz uma reflexão sobre os percursos da imaginação, com base na obra de Bachelard (1968) para, por fim, propor possibilidades educativas no âmbito dos novos estudos de letramento (LANKSHEAR, KNOBEL, 2006; THOMAS, 2006), incluindo a produção autoral narrativa na escola.

Biografia do Autor

Viviane Lima Ferreira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda do Programa de Pós Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Bolsista CNPq. Mestre em Educação pela mesma instituição. Bacharelada e Licenciada em Letras (UFSC). Integrante do Grupo de Pesquisa NICA – Núcleo de Pesquisa em Infância, Cultura e Arte (UFSC).

Gilka Elvira Ponzi Girardello, Universidade Federal de Santa Catarina

Professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), atua no Programa de Pós-Graduação em Educação (UFSC), dentro da Linha Educação e Comunicação. Realizou pós-doutorado no Programa de Educação Urbana da University of New York (Pesquisadora Visitante/Fulbright/CAPES 2010/2) e no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, (2011/1).

Referências

BACHELARD, Gaston. La poétique de la Rêverie. Paris: Presses universitaires de France, 1968.

BACHELARD, Gaston. O ar e os sonhos: Ensaio sobre a imaginação do movimento. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

BAZERMAN, C. Escrita, gênero e interação social. São Paulo: Cortez 2007.

EGAN, K. Por que a imaginação é importante na educação? In: FRITZEN, Celdon; CABRAL, G. S. (Org.). Infância: imaginação e educação em debate. Campinas: Papirus, 2007.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 2008.

GENETTE, Gérard. Figures III. Paris: Ed. du Seuil, 1972.

GIRARDELLO, Gilka. Autoria narrativa infantil, mídia-educação e novos letramentos: um percurso de pesquisa. Revista Educação On-line, PUC-Rio. nº 11, p. 73-88, 2012.

GIRARDELLO, Gilka. Horizontes da autoria infantil: as narrativas das crianças na educação e na cultura. Boitatá, v. 10, n. 20, 2015.

GIRARDELLO, Gilka. Mídia-educação, novos letramentos e produção narrativa infantil: um percurso de pesquisa. In: INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, XXXIV, 2011. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação: Recife, 2011.

GIRARDELLO, Gilka. Televisão e Imaginação Infantil: Histórias da Costa da Lagoa. 1998. 221 p. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação/Jornalismo). Escola de Comunicação e Artes da USP, Universidade São Paulo, São Paulo.

HARAWAY, Donna. Manifesto Ciborgue: Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz (ORG). Antropologia do ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

LANKSHEAR, C.; KNOBEL, M. New literacies: everyday practices and classroom learning. 2nd ed. Maidenhead: Open University Press, 2006.

MURRAY, Janet. Hamlet no Holodeck: o Futuro da Narrativa no Ciberespaço. São Paulo: Itaú Cultural: UNESP, 2003.

RODRIGUES, Sonia. Roleplaying Game e a pedagogia da Imaginação no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

SOARES, M. Letramento - Um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

STREET, B. V. Literacy in Theory and Practice. Cambrigde: Cambridge University Press, 1984.

THOMAS, A. Fan fiction online: Engagement, critical response and affective play through writing. Australian Journal of Language and Literacy, The, v. 29, n. 3, p. 226, 2006.

PIASSI, Luís Paulo de Carvalho. A ficção científica como elemento de problematização na educação em ciências. Ciência & Educação, v. 21, n. 3, p. 783-798, 2015.

VARELA, F.; THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente corpórea: Ciência cognitiva e experiência humana. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

REFERÊNCIAS MIDIÁTICAS

D&D Next. 5ª ed. Player's Handbook (Inglês) por Wizards RPG Team.

Fallout: A Post Nuclear Role Playing Game Steam Key Pc. Editora Bethesda.

Milenia. RPG de Ficção Científica. Ed. GSA, 2014.

Nebula: Piratas de Marduk. Tiago Junges. Ed. Coisinha Verde Games, Brasil, 2018.

Star Wars RPG. Star Wars: Age of Rebellion: RPG Core Rulebook. Editora: Fantasy Flight Games (22 de maio de 2014).

Paranoia. Greg Costikyan, Dan Gelber e Eric Goldberg e publicado em 1984 pela editora norte-americana West End Games.

Westworld. Série do canal HBO. Duas temporadas. 2016-2018. Diretor: Jonathan Nolan.

Downloads

Publicado

26-12-2019

Como Citar

FERREIRA, V. L.; GIRARDELLO, G. E. P. Uma androide consciente em westworld: referências para pensar procedimentos autorais na Educação. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 214–234, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/22955. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA