Autobiografia docente: o percurso da construção da identidade étnico-racial na formação de uma professora

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.23239

Palavras-chave:

autobiografia, identidade racial, formação docente.

Resumo


Este estudo tem por objetivo refletir sobre as questões sociais e raciais pertinentes ao exercício da docência no contexto escolar. Em uma pesquisa qualitativa (Minayo, 2001), são utilizados como corpus relatos pessoais e diários elaborados por uma das autoras durante o PIBID (Programa Institucional  de Bolsa de Iniciação à Docência), para melhor contextualização do cenário escolar a ser problematizado e analisado. Este trabalho identifica e enfoca o apagamento das culturas afro-brasileiras do espaço escolar, passando,então a discutir como isso influi diretamente na formação do sujeito e principalmente do professor em formação, apoiando-se em referências sobre  questões étnicos-raciais (Munanga, 2004a, 2004b, 2015; Moore, 2007; Ferreira, 2014) e identidade docente (Nóvoa, 1992; Romero, 2010; Souza, 2010, 2016). Assim, problematiza-se, por meio de um olhar autobiográfico, como o apagamento étnico-racial presente em discursos na escola pode construir grandes barreiras e a não aceitação de si para alunos que provêm de classes sociais menos favorecidas. Ressalte-se que a etnia negra tematizada, apesar de abranger a maior parte da população brasileira, ainda sofre desprezo no contexto escolar. Embora os dados sejam oriundos de uma narrativa pessoal, acredita-se que esta investigação possa contribuir para a reflexão de professores em serviço e em formação no trato com estudantes de etnias diferentes da dominante.

Biografia do Autor

Tania Regina de Souza Romero, Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Graduada em Letras Tradutores e Intérpretes pelo Centro Universitário Ibero Americano (Português, Inglês e Alemão, 1978). Tem mestrado e doutorado em Lingüística Aplicada e Estudos da Linguagem pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1989 e 1998) e pós-doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP, 2007). Atualmente é membro do Conselho Editorial de 9 Revistas Científicas da área, incluindo Intercâmbio (PUC-SP, 1413-4055), Revista D.E.L.T.A. (PUC-SP, 0102-445) e Revista The ESPecialist (PUC-SP, 0102-7077). É Professora Associada no Departamento de Estudos da Linguagem e professora permanente do Mestrado Profissional em Educação e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Lavras. Foi vice-coordenadora e coordenadora do Grupo de Trabalho Formação de Educadores na Linguística Aplicada, vinculado à ANPOLL. Pesquisa na área de Linguística Aplicada, com ênfase em Desenvolvimento de Educadores, Educação, Ensino-Aprendizagem de Línguas Adicionais, Avaliação de Aprendizagem, Identidade Docente e Linguística Sistêmico-Funcional. 

Marcia Fonseca Amorim, Universidade Federal de Lavras

Possui graduação em Letras Português/Inglês pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2000), mestrado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2003) e doutorado em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas (2009). Foi professora e coordenadora de curso de Letras da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras do Alto São Francisco. Professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Desde 2011 atua como professora adjunta da Universidade Federal de Lavras (UFLA), onde atuou como coordenadora adjunta do curso de Português, modalidade a distância, e como chefe do Departamento de Ciências Humanas, atualmente é chefe do Departamento de Estudos da Linguagem. Membro do Conselho Universitário e presidente da Câmara de Assessoramento do Conselho Universitário na área de Pesquisa e Extensão da UFLA Coordena o Núcleo de Estudos da Linguagem - NEADi UFLA. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase no estudo do texto e do discurso.

Referências

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília, 2004.

BRASIL. Lei nº 10.639, DE 9 DE JANEIRO DE 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro- Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 3 de outubro de 2018.

BENITES, Larissa Cerignoni. Identidade do professor de Educação Física: um estudo sobre saberes docentes e a prática pedagógica. 2007. 199f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Motricidade). Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, São Paulo.

BONIFÁCIO, Welberg Vinícius Gomes. A história, a cultura negra e as relações raciais na escola: da percepção dos docentes às possibilidades de trabalho com a temática racial. 2016. 134 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Ensino na Educação Básica) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

BERNARDO, Teresinha; MACIEL, Regimeire Oliveira. Racismo e educação: um conflito constante. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar, São Carlos, SP, v. 5, n. 1, jan.-jun. 2015, pp. 191-205.

FERREIRA, Aparecida de Jesus. Teoria Racial Crítica e Letramento Racial Crítico: Narrativas e Contra narrativas de Identidade Racial de Professores de Línguas. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores(as) Negros(as) - ABPN, v. 6, p. 236-263, 2014.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio- 23º ed - São Paulo: Edições Loyola, 2013.

GOMES, Nilma Lino. Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº 10.639/03. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005

GOMES, Nilma Lino. Educação e identidade negra. Aletria: Revista de Estudos de Literatura, v. 9, 2002, p. 38-47.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva. 11 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MOORE, Carlos. Racismo e sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte, MG: Mazza Edições, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem Conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Cadernos PENESB. Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira. Niterói, Rio de Janeiro. N5. p. 15-23, 2004a.

MUNANGA, Kabengele. A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos avançados, v. 18, n. 50, p. 51-66, 2004b.

MUNANGA, Kabengele. Por que ensinar a história da África e do negro no Brasil de hoje? Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, Brasil, n. 62, p. 20–31, dez. 2015.

NASCIMENTO, Antonio Dias; HETKOWSKI, Tânia Mara (orgs.) Memória e formação de professores. Salvador, BH: EDUFBA, 2007.

NÓVOA, António. Os professores e as histórias da sua vida. In: NÓVOA, António. (Org.). Vidas de professores. Porto: Porto Editora, 1992. p. 11-30.

PEREIRA, Márcia Moreira. A lei 10.639/03 no contexto das relações étnico-raciais: uma discussão sobre o currículo escolar. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, Paranaíba, MS, v. 3, n. 7, p. 49-57, 2013.

ROMERO, Tania Regina de Souza. Autobiografias de Professores de Inglês: o entretecer de memória e narrativa na constituição da identidade profissional. In: CELANI, Maria Antonieta Alba (org.) Reflexões e Ações(Trans) Formadoras no Ensino-Aprendizagem de Inglês. Campinas: Mercado de Letras. 2010. Pp.141-162.

SANTOS, Anderson Oramisio. Formação de professores à luz da história e cultura afro-brasileira e africana: novos desafios para uma prática reflexiva. Poíesis Pedagógica, [S.l.], v. 11, n. 2, p. 151-170, 2013.

SANTOS, Ivair Augusto Alves dos. Direitos Humanos e as Práticas De Racismo. Brasília: Fundação Cultural Palmares, 2012.

SOUZA, Elizeu Clementino. Autobiografia docente. In: OLIVEIRA, Dalila Andrade; DUARTE, Adriana Ccancella; VIEIRA, Lívia Fraga. Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG/Faculdade de Educação, 2010.

SOUZA, Elizeu Clementino. O conhecimento de si: narrativas do itinerário escolar e formação de professores. 2004, 344 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Federal da Bahia, Salvador.

SOUZA, Elizeu Clementino. Profissionalização, Fabricação de Identidade e Trabalho Docente: Alguns Apontamentos Teóricos. In: FERREIRA, Maria Cristina F. Dalacorte; reichmann, Carla Lynn; ROMERO, Tania Regia de Souza (orgs.) Construções Identitárias de Professores de Línguas. Campinas, SP: Pontes. 2016. p. 15-32

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

GONÇALVES, S. A.; ROMERO, T. R. de S.; AMORIM, M. F. Autobiografia docente: o percurso da construção da identidade étnico-racial na formação de uma professora. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 281–298, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.23239. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23239. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO