Mulher negra africana: uma narrativa autobiográfica das experiências de uma nigeriana e suas relações com o feminismo negro

Autores

Palavras-chave:

Mulheres negras, Feminismo negro, Narrativa autobiográfica.

Resumo


O trabalho é uma narrativa autobiográfica usando o conceito de outsider within da Patrícia Hill Collins com objetivo de refletir sobre os aspectos construtivos de ser mulher negra africana e estrangeira no Brasil, momento que se iniciou em 2011 ao deixar Nigéria para estudar no exterior. O objetivo é, além de documentar esse trajeto, mostrar, através da minha narrativa, as percepções que se formam ao me reconhecer como negra ao longo dos anos diante da minha posição de subalternidade. Esse tipo de produção de conhecimento tem sido valorizada dentro do feminismo negro. Utilizo autoras como Djamila Ribeiro (2018), Patrícia Hill Collins (2016), Bell Hooks (2015), Sueli Carneiro (2003), Chimamanda Adichie (2009; 2015), que discutem a identidade e condição da mulher negra, as diferentes categorias de diferença, a importância de redes de mulheres que pensam a condição da mulher ao reconfigurar o espaço que elas ocupam ao ajudar pensar sobre o feminismo, além de possibilitar pensar questões de gênero, raça e classe como eixos interseccionais. Algumas dessas autoras entendem que a mulher negra em sua posição de marginalidade possui uma perspectiva potencial e permite a ampliação de estudos que podem ser pertinentes para pensar a heterogeneidade de um movimento que valoriza suas particularidades.

Referências

ADICHIE, Chimamanda. ADICHIE, Chimamanda Ngozi. O perigo da história única. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=_4uXhbSWIJs. Acesso em: 24 maio 2017.

ARANSIOLA, Tope Jane. Discursos sobre a África presentes na mídia brasileira. 2018. 204 f. Dissertação (Estudos da Linguagem) - Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, v. 26, p. 329-376, jan./jun. 2006.

BICUDO, Virgínia Leone. Atitudes raciais de pretos e mulatos em São Paulo. Marcos Chor (Org.). São Paulo: Editora Sociologia e Política, 2010.

CARNEIRO, Suely. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América latina a partir de uma perspectiva de gênero, 2011.

CARNEIRO, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, v. 17, n. 49, p. 117-132, 2003.

COLLINS, Patrícia Hill. O que é um nome? Mulherismo, Feminismo Negro e além disso*. Cadernos Pagu, Campinas, n. 51, e175118, 2017.

COLLINS, Patricia Hill. Aprendendo com a Outsider Within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, v. 31, n. 1, p. 99-126, jan./abr. 2016.

COLLINS, Patricia Hill. The power of self-definition. In: COLLINS, Patricia Hill. Black feminist thought: knowledge, consciousness, and the politics of empowerment. New York, London: Routledge, 1990, p. 91-114.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Rev. Estud. Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-18, 2002.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

STUART, HALL. Quem precisa de identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu (Org.). Identidade e diferença: A perspectiva dos Estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 12. ed. 2000, p. 103-133.

HOOKS, Bell. Alisando o Nosso Cabelo. Revista Gazeta de Cuba - Unión de escritoresy Artista de Cuba, janeiro-fevereiro de 2005.

HOOKS, Bell. Mulheres negras: moldando a teoria feminista. Rev. Bras. Ciênc. Polít.,Brasília, n. 16, p. 193-210, Abril 2015.

M. LEE. “Talvez eu não esteja em ascensão social, talvez esteja questionando ashierarquias de classe”: jovens pobres na universidade e a sobrevivência sob a hierarquia. E-cadernos CES, v. 18, p. 132-139, 2012.

RIBEIRO, Djamila. Quem tem medo do feminismo negro?. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

RIBEIRO, Matilde. Mulheres negras: uma trajetória de criatividade, determinação e organização. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 987-1004, set./dez. 2008.

SANTOS, Neuza. Tornar-se negro ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Edições GRAAL. 1983.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 73-102.

Downloads

Publicado

26-12-2019

Como Citar

ARANSIOLA, T. J. Mulher negra africana: uma narrativa autobiográfica das experiências de uma nigeriana e suas relações com o feminismo negro. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 123–135, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23614. Acesso em: 24 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Identidades sociais de raça em livros didáticos e narrativas autobiográficas