Revelações de mulheres em narrativas: reflexões sobre HIV e gênero no campo da Linguística Aplicada

Autores

  • Linite Adma de Oliveira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

Palavras-chave:

Narrativas autobiográficas, HIV, Identidade de gênero, Mulheres.

Resumo


Compreendida a identidade como um processo de produção simbólica e discursiva (SILVA, 2014) através de práticas e interações sociais, o presente artigo é parte da pesquisa de mestrado (2015) que se justificou pelo silenciamento histórico da construção identitária da mulher nas relações de poder. Dessa forma o objetivo deste texto é apresentar as experiências de vida das mulheres participantes da pesquisa em um período de vida anterior à convivência com o HIV. Os referenciais teóricos sobre identidades sociais de gênero, linguística aplicada e HIV são: Borba (2008, 2010) e Higgins e Norton (2010). A metodologia qualitativa narrativa foi norteada pelo espaço tridimensional citado por Clandinin e Connelly (2000) para análise das narrativas autobiográficas de mulheres que vivem ou convivem com o HIV. Como resultados, constatou-se que as identidades sociais reveladas nas narrativas é de que as mulheres, antes de serem infectadas pelo HIV, tinham vínculo afetivo com a figura masculina e acreditavam que os afazeres domésticos e o cuidado com o outro eram somente suas incumbências; mostraram-se em reconstrução no processo de reflexão acerca de suas relações sociais no campo afetivo, econômico, social e pessoal. Assim, foi possível concluir que as identidades de ser mulher entrecruzam-se e o processo de construção e reconstrução faz parte do viver e que, o falar sobre HIV está imbricado nas relações e práticas sociais das pessoas bem como nas relações de gênero. Diante do exposto, este artigo compõe-se pela introdução, identidades sociais de gênero, pesquisa narrativa, narrativas das mulheres que (con)vivem com o HIV (antes da infecção a esse vírus) e considerações finais.

Biografia do Autor

Linite Adma de Oliveira, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG.

Mestre (Pós-graduação Strico-Sensu) em Linguagem, Identidade e Subjetividade (Estudos da Linguagem) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2015). Possui Especialização (Pós-graduação Lato-Sensu) em Ensino/Aprendizagem de Línguas Estrangeiras-Francês (2005) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa.Graduada em Licenciatura Plena em Letras, habilitação Letras: Português/Francês e respectivas literaturas (2003) e de Língua Inglesa e respectivas literaturas (2005) pela Universidade Estadual de Ponta Grossa. Formada no Curso Técnico Ensino Médio Integrado para o Magistério do Ensino Infantil e Séries Iniciais (1997). Tem experiência docente no ensino infantil e na educação das séries iniciais e alfabetização (ensino fundamental I) de crianças e adultos de escolas particulares e públicas municipais urbanas e do campo (turmas multisseriadas). Tem alguma experiência de prática docente no ensino da língua inglesa nas séries finais (ensino fundamental II) e ensino médio em escolas públicas. Tem também alguma experiência como professora de português e inglês no Ensino para Jovens e Adultos das escolas estaduais públicas (séries finais do ensino fundamental e médio). Atua como professora de língua francesa no CELEM/Francês (Centro de Línguas Estrangeiras Modernas) do Núcleo Regional de Ponta Grossa - Secretaria de Educação do Estado do Paraná e também como professora de língua portuguesa e literatura (portuguesa e brasileira para o ensino médio) nas séries finais (ensino fundamental II) e ensino médio regular ou técnico de escolas e colégios estaduais públicos do Núcleo Regional de Ponta Grossa - Secretaria de Educação do Estado do Paraná. Tem alguma experiência de pesquisa, enquanto discente de graduação e especialização, nos seguintes temas: exclusão na educação do espaço local, ensino/aprendizagem de línguas: materna e estrangeira (português brasileiro e língua francesa). Participou do Grupo de Estudos Abordagens Pragmáticas sobre Linguagem e Ensino e do Grupo de Estudos O papel dos Estudos de Crenças na Formação de Professores. Participa do GEPLIS - Grupo de Estudos e Pesquisas em Linguagem e Identidades Sociais. Voltada para área de Letras, com ênfase em Linguística Aplicada, as temáticas em processo de estudo e pesquisa são: linguagem, HIV e mulher, narrativas autobiográficas, identidades sociais de gênero, pesquisa narrativa, ensino/aprendizagem de francês e português

Referências

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995. p. 7-64.

ARAÚJO, J.M.; FERREIRA, A. J. Língua inglesa e multiletramentos: Relações de gênero no livro didático. p.280-301. In: WOITOWICZ, K. J.; ROCHA, P.M. (Orgs.). Marcas e discursos de gênero: produções jornalísticas, representações femininas e outros olhares. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014. Disponível em http:∕∕www.uepg.br∕editora. Acesso em: 15 jan. 2015.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BARBOSA, R. M. A trajetória feminina da AIDS. p. 17-32. In: PARKER, Richard; GALVÃO, Jane. (Orgs.) Quebrando o silêncio: mulheres e AIDS no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará: ABIA: IMS∕UERJ, 1996.

BORBA, R. Alteridades em fricção. Discurso e identidades na prevenção de DST⁄AIDS entre travestis. 2008, 170 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008a.

BORBA, R. Identidade e Intertextualidade: a construção do gênero e da sexualidade na prevenção de DST∕AIDS entre travestis que se prostituem. Caderno de Linguagem e Sociedade. [Local], v. 9, n.1, p.72-97, [mês]. 2008b. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbla/v9n2/05.pdf. Acesso em: 18 ago. 2014.

BORBA, R. Interxt(sex)ualidade: a construção discursiva de identidades na prevenção de DST⁄AIDS entre travestis. Trab. Ling. Aplic., Campinas, v. 49, n.1, p. 21-37, jan./jun. 2010. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/physis/v21n4/a11 v21n4.pdf>. Acesso em: 18 ago. 2014.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 10. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. 2013. Boletim Epidemiológico. HIV-AIDS. Ano II, nº 01 - até semana epidemiológica 26ª - dezembro 2013, 64 p. Disponível em: http://www.aids.gov.br/sites/default/files/anexos/publicacao/2013/55559/_p_boletim_2013_internet_pdf_p__51315.pdf . Acesso em: 02 maio 2014.

BRASIL∕UNAIDS. Diretrizes de Terminologia do UNAIDS/ONUSIDA. jan. 2011. Disponível em:http://www.unaids.org.br/biblioteca/Terminologia%20AIDS%20Portu gu%EAs%20Agosto%202011.pdf. Acesso em: 10 jan. 2014.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Aguiar, R. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CLANDININ, D. J. e CONNELLY, F. M. Narrative Inquiry: Experience and story in qualitative research. San Francisco, CA: publisched by Jossey-Bass, Ist edit., 2000.

CORACINI, M. J. R. F. Discurso e identidade: uma questão de memória e ficção de si. In: CORACINI, M. J. R. F. Estudos de Identidade: entre saberes e práticas. 1. ed. Rio de Janeiro: FAPERJ∕Garamond - Universitária, 2011. p. 289-311.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Tradução de Izabel Magalhães (Coord.) e Norman Fairclough. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2001, 2008.

FURLANI, J. Educação sexual: possibilidades didáticas. In: LOURO. G. L; NECKEL, J. F.; GOELLNER, S. V. Corpo, Gênero e Sexualidade. Um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2003. p. 60-81.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HIGGINS, C.; NORTON, B. (Eds.). Language and HIV/AIDS. Bristol, UK: Multilingual Matters, 2010.

LENT, C. F. Epidemias e subjetividades. In: CARVALHO, M.E.G.; CARVALHAES, F. F.; CORDEIRO, R. P. Cultura e subjetividade em tempos de aids. Londrina: Associação Londrinense Interdisciplinar de Aids, 2005. p. 21-34.

LOURO, G. L. Pensar a sexualidade na contemporaneidade. In: PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Superintendência de Educação. Departamento de Diversidades. Núcleo de Gênero e Diversidade Sexual. Sexualidade. Curitiba: SEED∕PR, 2009. p. 29-36. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr. gov.br/arquivos/File/cadernos_tematicos/sexualidade.pdf. Acesso em 22 ago. 2013.

LOURO, G. L. Currículo, gênero e sexualidade: O “normal”, o “diferente” e o “excêntrico”. In: LOURO, L. L.; FELIPE, J. ; GOELLNER (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 43-66.

MEYER, D. E. Gênero e educação: teoria e política. In: LOURO, G. L; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 11-29.

MIRANDA, T. L.; SCHIMANSKI, E. Relações de gênero: algumas considerações conceituais. p. 67-91. In: FERREIRA, A. J. (Orgs.). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: perspectivas contemporâneas. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

MOITA LOPES, L. P. Socioconstrucionismo: discurso e identidade social. In: MOITA LOPES, L. P. (Org.) Discursos de Identidades: discurso como espaço de construção de gênero, sexualidade, raça, idade e profissão na escola e família. Campinas: Mercado de Letras, 2003. p. 13-38.

MOITA LOPES, L. P. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista. In: MOITA LOPES, L.P. (Org.). Por uma linguística aplicada indisciplinar. São Paulo: Parábola Editora, 2006.

NORTON, Bonny. Identity, literacy, and English-language teaching. TESL Canada Journal/Revue TESL du Canada, vol. 28, n. 1, winter 2010.

PAVLENKO, A. Autobiographic narratives as data in applied linguistics. Applied Linguistics, v. 28, n.2, p.163-188, abr., 2007. Disponível em: http://astro.temple.edu/ ~apavlenk/pdf/Applied_Linguistics_2007.pdf. Acesso em: 30 out 2014.

PINTO, J. P. O corpo de uma teoria: marcos contemporâneos sobre os atos de fala. Cadernos Pagu, v. 33, [n.], p. 117-138, jul./dez. 2009.

PINTO, J. P. Gênero e suas articulações para igualdade e pluralidade na educação linguística. In: FERREIRA, A. J.; JOVINO, I. S.; SALEH, P. B. O. (Orgs.). Um olhar interdisciplinar acerca de identidades sociais de raça, gênero e sexualidade. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 103-122.

RABELO, A. O. A importância da investigação narrativa na educação. Revista Educ. Soc., Campinas, v. 32, n. 114, p. 171-178, jan./mar. 2011.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Recife: SOS Corpo, 1995. Gênero: uma categoria útil de análise histórica J Scott - Educação e realidade, 1991 - xa.yimg.com Page 1. 1. Tradução de Christine Rufino Dabat; Maria Betânea Ávila. [Texto original: Joan Scott – Gender: a useful category of historical analyses. Gender and the politics of history. New York, Columbia University Press. 1989]. p. 1-35.

SILVA, T. T. A produção da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2014. p. 73-102

VAN DIJK, T. A. Discurso e poder. Organização de Teun A. van Dijk; Judith Hoffnagel; Karina Falcone. Tradução de Judith Hoffnagel et al. São Paulo: Contexto, 2008.

VASSALO, M. L.; TELLES, J. A. Aprendendo línguas estrangeiras in-tandem: histórias de identidades. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 341-381, abr.∕maio, 2008.

VILLELA, W. V. Vulnerabilidade, sexualidade e subjetividade: sobre a face feminina da AIDS. p. 65-77. In: CARVALHO, M.E.G.; CARVALHAES, F. F.; CORDEIRO, R. P. Cultura e subjetividade em tempos de aids. Londrina: Associação Londrinense Interdisciplinar de Aids, 2005.

Downloads

Publicado

30-12-2019

Como Citar

DE OLIVEIRA, L. A. Revelações de mulheres em narrativas: reflexões sobre HIV e gênero no campo da Linguística Aplicada. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 308–326, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23615. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM