Da gorda ao padre: as marcas do estigma em dois contos de Amar é crime, de Marcelino Freire

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i1.24924

Palavras-chave:

Marcelino Freire, Estigma, Conto.

Resumo


Este breve estudo tem como objetivo realizar uma análise que investigue as relações entre personagens estigmatizados e os ditos “normais” presentes nos contos Mariângela e Jesus te ama, do livro Amar é crime, de Marcelino Freire. O autor se destaca no cenário da literatura brasileira não só pela escrita ágil, mas também pela sua capacidade de tornar visíveis, na sua obra, os personagens marginalizados do cotidiano brasileiro, bem como fazê-los capazes de intrigar e perturbar os órgãos sociais e os sujeitos que estão dispostos a tornar estes indivíduos desviantes do que é plenamente aceito socialmente. Para isto, são evidenciados narradores, discursos, conflitos e personagens, no intento de demonstrar como as marcas do estigma emergem na sociedade e como elas deterioram a identidade dos que por elas são acometidos. Assim, foram utilizados, primordialmente, conceitos teóricos presentes nas obras Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada, de Erving Goffman (2008) e Estética da criação verbal, de Mikhail Bakhtin (2010). Por meio destes, buscamos entender e descrever analiticamente, respectivamente, como as relações que emergem do contato dos ditos normais e estigmatizados, tornam estes seres deteriorados e como os discursos ideológicos, repassados no meio desta interação, são capazes de interferir decisivamente durante este processo. 

Biografia do Autor

Antonio Caio Almeida Rosal, Urca - Universidade Regional do Cariri

Graduando em Letras pela Universidade Regional do Cariri (2017). Estudante-pesquisador do Núcleo de Estudos de Teoria Linguística e Literária - NETLLI (DGP/CNPq). Tem experiência na área de Letras com ênfase em Literatura.

Edson Soares Martins, Urca - Universidade Regional do Cariri

Possui graduação (1996), mestrado (2001) e doutorado (2010) em Letras pela Universidade Federal da Paraíba (PPGL). Concluiu estágio pós-doutoral junto ao PROLING-UFPB. Atualmente é Professor Associado (Referência O) de Literatura Brasileira, na Universidade Regional do Cariri (URCA) e professor permanente e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Letras, na mesma IES. Tem experiência na área de Literatura, com ênfase em Literatura Brasileira, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, poesia, narrativa moderna e contemporânea, romances de Clarice Lispector e Osman Lins e psicanálise. Também manifesta crescente interesse pelas literaturas africanas. Editor-geral de Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli e editor-adjunto da Miguilim – Revista Eletrônica do Netlli.

Referências

ABREU, Caio Fernando. Terça-feira gorda. Portal Vermelho, São Paulo, 06 de jan. de 2015. Disponível em: https://vermelho.org.br/2015/02/06/caio-fernando-abreu-terca-feira-gorda/. Acesso em: 29 de dez. de 2019.

ANJOS, Gabriele dos. Identidade sexual e identidade de gênero: subversões e permanências. Sociologias, Porto Alegre, a. 2, n. 4, p. 274-305, jul./dez. 2000.

BACCEGA, Maria Aparecida. O estereótipo e as diversidades. Comunicação & Educação, São Paulo, n. 13, p. 7-14, dez. 1998.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 6. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010.

BOSI, Alfredo. Situação e formas do conto brasileiro contemporâneo. In: BOSI, Alfredo. O conto brasileiro contemporâneo. São Paulo: Editora Cultrix, 1975. p. 7-22.

BOSI, Ecléa. Entre a opinião e o estereótipo. Novos estudos CEBRAP, São Paulo, v. 1, n. 32, p. 111-118, mar. 1992.

FREIRE, Marcelino. Amar é crime. São Paulo: Edith, 2010.

GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GOFFMAN, Erving. Representação do eu na vida cotidiana. Petrópolis: Vozes, 1985.

KIFFER, Ana. Corpo, memória, cadeia: o que pode o corpo escrito? Alea: Estudos Neolatinos, Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Letras Neolatinas da UFRJ, v. 8, n. 2, p. 263-280, jul./dez. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-106X2006000200008. Acesso em: 29 dez. de 2019.

MACHADO JÚNIOR, Luiz Bosco Sardinha; CONSTANTINO, Elizabeth Piemonte. Possibilidades de diálogo entre o conceito de ideologia em Bakhtin e a teoria das representações sociais. Macabéa – Revista Eletrônica do Netlli, Crato, v. 1, n. 2, p. 93-111, dez. 2012.

MAIA, Helder Thiago. Sem-vergonhices, descaramentos e safadezas na obra de Marcelino Freire. Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 109-126, dez. 2015.

MARQUES, Ivan. Amor e sangue. In: FREIRE, Marcelino. Amar é crime. São Paulo: Edith, 2010, p. 11-15.

MIRANDA, Olinson Coutinho. Personagens queer nos contos de Marcelino Freire. Revista Fórum Identidades, Itabaiana, a. 6, v. 11, n. 11, p. 150-159, jan./jun. 2012.

MONTALVÃO, Stella. Representando o preconceito: o homem sem rumo de Salim Miguel. Graphos, João Pessoa, v. 7, n. 21, p. 191-200, jan. 2005.

POE, Edgar Allan. Filosofia da composição. In: POE, Edgar Allan. Poesia e prosa. Porto Alegre: Globo, 1960. p. 501-511.

SANTOS, Hildete Leal dos; SANTOS, Adelino Pereira dos. Entre Amélias e Cinderelas: representações femininas em contos da tradição oral. REVELL - Revista de Estudos Literários da UEMS, Campo Grande, v. 2, n. 16, p. 74-95, set. 2017.

SILVA, Marcel V.B. O olhar embaciado de Miguilim: Mutum (2007, dir. Sandra Kogut) e as estratégias cinematográficas de representação do narrador com onisciência seletiva. In: XI Congresso Internacional da Associação Brasileira de Literatura Comparada. Anais [...] São Paulo, ABRALIC, 2008. Disponível em: http://www.abralic.org.br/eventos/cong2008/AnaisOnline/simposios/pdf/064/MARCEL_VIEIRA.pdf. Acesso em: 29 de dez. de 2019.

SIQUEIRA, Sena Aparecida de. Representações sociais da literatura e a confluência de ideias entre Moscovici e Bakhtin: um estudo com professores alfabetizadores no Distrito Federal. 2013. 217 f. Tese (Doutorado em Literatura e outras artes). Departamento de Teoria Literária e Literaturas, Universidade de Brasília, Brasília.

TREVISAN, Dalton. Uma vela para Dario. In: TREVISAN, Dalton. Vozes do Retrato: quinze histórias de mentiras e verdades. São Paulo: Ática, 1991. p. 25-26.

VASCONCELOS, Naumi Antonio de; SUDO, Iana; SUDO, Nara. Um peso na alma: O corpo gordo e a mídia. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, v. 4, n. 1, p. 65-93, mar. 2004.

Downloads

Publicado

27-04-2021

Como Citar

ALMEIDA ROSAL, A. C.; SOARES MARTINS, E. Da gorda ao padre: as marcas do estigma em dois contos de Amar é crime, de Marcelino Freire. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 1, p. 2–17, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i1.24924. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24924. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA