O canto contra a opressão: Patativa do Assaré e a poesia do sertão brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i1.26034

Palavras-chave:

Poesia popular, literatura de cordel, cultura do Sertão, Patativa do Assaré.

Resumo


A literatura de cordel do Nordeste tem expressiva notoriedade no Brasil, devido a sua temática espontânea, marcas regionais e jocosas críticas políticas e sociais. Por causa de tais peculiaridades e relevância surgiu a ideia deste artigo, que tem como objetivo contextualizar tal poesia popular, mais especificamente os poemas de Antônio Gonçalves da Silva (Patativa do Assaré), a partir do seu viés de resistência política e social e reexistência na literatura brasileira. Para isso, empreendemos uma abordagem teórica acerca da cultura popular (Cuche, 1999), da literatura de cordel do Sertão (Assaré, 1978), (Ribeiro, 1987) e da vida e obra do poeta cearense. Para somar tais conceitos e fatos com a resistência política e o reexistir socialmente através da arte, foram utilizadas algumas reflexões de autores para compor a discussão: Arantes (1982), Foucault (2011 e 2004) e Marcuse (1973). E a fim de compreender os poemas de Patativa por este viés proposto no artigo, utilizou-se a abordagem qualitativa, através da análise do discurso francesa (Gregolin, 2008). Assim, por meio de tais leituras, abordagens e análises, foi possível notar que a arte do cearense resiste e reexiste socialmente e no campo literário, principalmente, a partir de três vertentes: linguagem utilizada, a vida do próprio autor e assuntos tratados nos poemas.

Referências

ASSARÉ, Patativa do. Cante lá que eu canto cá. Rio de Janeiro: Vozes, 1978.

ASSARÉ, Patativa, do; FEITOSA, L. Tadeu. Digo e não peço segredo. São Paulo: Escrituras, 2001.

ARANTES, Antonio Augusto. O trabalho e a fala: estudo antropológico sobre os folhetos de cordel. São Paulo: Editora Kairós, 1982.

CANTEL, Raymond M.; CLÉMENT, Jean-Pierre; LEMAIRE, Ria. La littérature populaire brésilienne. Centre de recherches latino-américaines, 1993.

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário do folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério da educação e cultura, Inst. Nacional do livro, 1954.

CERTEAU, Michel. Cultura No Plural (a). São Paulo: Papirus Editora, 1995.

CUCHE, Denys; PEREIRA, Miguel Serras; GANDRA, Fernando. A noção de cultura nas ciências sociais. Lisboa: Fim de Século, 1999.

EVARISTO, Conceição. Da representação à auto-apresentação da Mulher Negra na Literatura Brasileira. Revista Palmares, v. 1, p. 52-57, 2005.

FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. São Paulo: Forense Universitária, 2004.

FOUCAULT, Michel. A Coragem da Verdade. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

GREGOLIN, Maria. Análise do discurso e mídia: a (re) produção de identidades. Comunicação mídia e consumo, v. 4, n. 11, p. 11–25, 2008.

MARCUSE, Herbert. Contra revolução e revolta. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1973.

PIGNATARI, Décio. O que é comunicação poética. São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

PORTELA, Cláudio. Melhores poemas de Patativa do Assaré. Global Editora. São Paulo, 2006.

RIBEIRO, Lêda Tâmega. Mito e poesia popular. Rio de Janeiro: FUNARTE, Instituto Nacional do Folclore, 1987.

SOARES, Daniel Lins. Cultura e subjetividade: saberes nômades. São Paulo: Papirus, 1997.

VASQUEZ, Pedro Afonso. O universo do cordel. Recife: Instituto Cultural Banco Real, 2008.

Downloads

Publicado

27-04-2021

Como Citar

SILVA, D. de L. da; SANTOS, G. F. C. dos. O canto contra a opressão: Patativa do Assaré e a poesia do sertão brasileiro. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 1, p. 34–50, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i1.26034. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/26034. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA