Transposição midiática e representação cultural em “Viva – a vida é uma festa” (2018)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27636

Palavras-chave:

Cinema, Intermidialidade, Transposição midiática, Representação cultural.

Resumo


O presente artigo discorre sobre as relações intermidiáticas entre o filme “Coco”, que no Brasil recebeu o título “Viva – A vida é uma festa”, e o livro que surgiu do filme em decorrência do seu sucesso comercial. Nessas relações, nosso recorte analítico inclui o tratamento da cultura mexicana no processo de significação artística, dado que o filme possui como leitmotiv o “Día de los muertos”. A metodologia é a análise de cenas do texto fílmico e do texto literário e a fundamentação teórica basilar são os Estudos de Intermidialidade (CLÜVER, 2006; MÜLLER, 2012; RAJEWSKY, 2012a, 2012b). Nos atemos, principalmente, na abordagem proposta por Rajewski (2012), a qual caracteriza-se por seu direcionamento sincrônico e pelo entendimento da intermidialidade como categoria para a análise concreta de textos, como é o caso específico do filme “Viva – A vida é uma festa” e seu processo de transposição midiática. Analisou-se, assim, o processo de significação temática na construção da transposição das imagens visuais e a adaptação de uma mídia para outra, da tela para o livro, em suas diferenças e suas similaridades.

Biografia do Autor

Thiago Henrique da Silva de Sales, Universidade Estadual de Maringá

Literatura - Campo literário e Formação de Leitores

Líliam Cristina Marins, Universidade Estadual de Maringá

Letras - Campo Literário e Formação de Leitores

Referências

BOOKER, M. Keith. Disney, Pixar, and the Hidden Messages of Children's Films. Califórnia: Praeger, 2010.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura Comparada. São Paulo: Ática, 1986.

CERVANTES, Angela; PIXAR. Viva: a vida é uma festa. Rio de Janeiro: Ediouro, 2018.

COCO (Original, trad. Bras. Viva – A vida é uma festa). Direção: Lee Unkrich e Adrian Molina. Estados Unidos, Pixar, 2018.

ECO, Umberto. A definição da arte. Rio de Janeiro: Record, 2016.

GHIRARDI, Ana Luiza. RAJEWSKY, Irina. DINIZ, Thaïs Flores Nogueira. Intermidialidade e referências intermidiáticas: uma introdução. Revista Letras Raras, v. 9, n. 3, p. 11-23, 2020.

CORTÉS, Carlos. Cómo ver al vecino: el libro de texto Hollywoodense sobre México. In: COATSWORTH, John H.; RICO, Carlos (Coord.). Imágenes de México en Estados Unidos. México: Fondo de Cultura Económica, 1989, p. 91-118.

CLÜVER, Claus. Inter textus / inter artes / inter media. Aletria – Revista de estudos de Literatura. Belo Horizonte, p. 11-41, 2006.

DINIZ, Thais Flores Nogeuira. Adaptação como reciclagem. In: Literatura e cinema: tradução, hipertextualidade, reciclagem. Belo Horizonte: UFMG, 2005, p. 81-92.

HALL, Stuart. Cultura e Representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC/Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. A identidade cultural da pós-modernidade. São Paulo: DP&A, 2006.

HATTNHER, Alvaro Luiz. Quem mexeu no meu texto? observações sobre literatura e sua adaptação para outros suportes textuais. Revista Brasileira de Literatura Comparada, n.16, p.145-155, 2010.

HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XX. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Florianópolis: Editora UFSC, 2011.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

MÜLLER, Jürgen E. Intermidialidade revisitada: algumas reflexões sobre os princípios básicos desse conceito. In: DINIZ, Thaïs Flores Nogueira; VIEIRA, André Soares (org.). Intermidialidade e estudos interartes – desafios da arte contemporânea II. Belo Horizonte: UFMG, 2012, p. 75-95.

PETTIT, Arthur G. Images of the Mexican in fiction and film. Ed. Texas A&M University Press, 1980.

RAJEWSKI, Irina O. Intermidialidade, intertextualidade e “remediação”: uma perspectiva literária sobre a intermidialidade. In: DINIZ, Thaïs Flores Nogueira (org.). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012a, p. 15-45.

RAJEWSKI, Irina O. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. DINIZ, Thaïs Flores Nogueira; VIEIRA, André Soares (org.). Intermidialidade e estudos interartes – desafios da arte contemporânea II. Belo Horizonte: UFMG, 2012b, p. 51-74.

PRICE, David. A Magia da Pixar. Rio de Janeiro: Campus, 2009.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

SALES, T. H. da S. de; MARINS, L. C. Transposição midiática e representação cultural em “Viva – a vida é uma festa” (2018). Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 3–20, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27636. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27636. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS