Labirintos autorais: a adaptação fílmica de In the tall grass, de Stephen King e Joe Hill

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27644

Palavras-chave:

Adaptação, Stephen King, Cinema, Streaming.

Resumo


O presente artigo tem por objetivo realizar um estudo sobre as estratégias adaptativas empregadas no processo de remidiação do conto “In the tall grass” (2012), de Stephen King e Joe Hill, para a linguagem cinematográfica do streaming. Para tanto, nos propomos a realizar uma leitura imanente pautada nos aspectos formais e temáticos das duas obras: alterações e permanências de elementos narrativos, rupturas e continuidades formais e simbólicas, além das escolhas e recursos da linguagem cinematográfica empregados pelo adaptador Vincenzo Natali, bem como suas (possíveis) motivações. Para tanto, nos embasamos nas teorias acerca do processo de adaptação propostas por Stam (2000), Bolter e Grusin (2000), Ondaatje (2002) e Hutcheon (2013). A partir da análise, concluimos que, com a tarefa de não apenas reconfigurar uma obra literária para o modo de engajamento audiovisual mas, além disso, expandir uma narrativa curta para a duração de um filme longa-metragem, Natali lança mão de estratégias voltadas para a adaptabilidade do material-fonte e para a aceitabilidade mercadológica de seu filme, a saber: ampliação da participação dos personagens secundários e terciários; adição de um herói arquetípico como protagonista; ampliação dos cenários do conto, inserção de elementos sci-fi e do horror slasher. Ademais, muitos elementos da sintaxe cinematográfica são utilizados para transportar para a tela a tensão e a opressão do locus horribilis retratado no conto, tais como: tomadas aéreas do matagal; planos-detalhe em elementos da natureza; quadros abertos para estabelecer a localização dos personagens.

Biografia do Autor

Edson José Rodrigues Júnior, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrando em Teoria da Literatura pela Universidade Federal de Pernambuco (PPGL/UFPE). Graduou-se em Licenciatura em Letras (Português) pela mesma instituição (2019). Produz atualmente pesquisas nos âmbitos da literatura comparada e do insólito ficcional com escopo nas influências do gótico e do fantástico europeus sobre a literatura oitocentista brasileira. É membro pesquisador do Belvidera - Núcleo de Estudos Oitocentistas da UFPE e integrante do grupo Ficção Científica, Gêneros Pós-modernos e Representações artísticas na Era Digital (FICÇA) da UFMA

Referências

BARTHES, Roland. A morte do autor: imagem, música, texto em O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BOLTER, Jay David; GRUSIN, Richard. Remediation: understanding new media. Cambridge: The MIT Press, 2000.

HINDS, Stephen. Allusion and intertext: dynamics of appropriation in roman poetry. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

HORROR QUEERS: In the tall grass (2019). Locutor: Trace Thurman [S.l.]: Horror Queers, 2019. Podcast. Disponível em: https://www.patreon.com/horrorqueers. Acesso em: 10 fev. 2021.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Trad. André Cechinel. 2. ed. Florianópolis: Editora UFSC, 2013.

IN THE TALL GRASS. Direção de Vincenzo Natali. Netflix, 2019. Streaming (100 min).

KING, Stephen; HILL, Joe. In the tall grass. Esquire. Nova Iorque, jul./ago. 2012.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lúcia Helena França Ferraz. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

MACIEL, Maria Esther. Para além da adaptação: formas alternativas de articulação entre literatura e cinema. In: NASCIMENTO, Eduardo et al. (org.). Literatura em Perspectiva. Juiz de Fora: UFJF, 2003.

MURRAY, Noel. On Netflix, ‘In the Tall Grass’ reveals the degree to which weeds are scary. LA Times, 2019. Disponível em: https://www.latimes.com/entertainment-arts/movies/story/2019-10-04/in-the-tall-grass-review-netflix-stephen-king-horror. Acesso em: 10 fev. 2021.

ONDAATJE, Michael. The conversations: Walter Murch and the art of editing film. Toronto: Vintage Canada, 2002.

SHULTZ, Cristopher. Book vs Film: ‘In the tall grass’. Litreactor, 2019. Disponível em: https://litreactor.com/columns/book-versus-film-in-the-tall-grass. Acesso em 10 fev. 2021.

STAM, Robert. The dialogics of adaptation. In: NAREMORE, J. (Ed.). Film adaptation. New Brunswick, NJ: Rutgers University Press, 2000.

STAM, Robert. Literature and film: a guide to the theory and practice of film adaptation. Oxford: Blackwell, 2005.

STEPHEN KING. Rotten Tomatoes, 2021. Disponível em: https://www.rottentomatoes.com/celebrity/richard_bachman. Acesso em: 11 fev. 2021.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

RODRIGUES JÚNIOR, E. J. Labirintos autorais: a adaptação fílmica de In the tall grass, de Stephen King e Joe Hill. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 34–54, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27644. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27644. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS