Mulheres de Joel Zito Araújo: subversão ou reprodução de estereótipos?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27748

Palavras-chave:

Cinema negro, estereótipo, Filhas do Vento, mulher negra.

Resumo


A narrativa cinematográfica caracteriza-se, dentre outros aspectos, pelo entrelaçamento entre diferentes linguagens, tais como a música, os elementos sonoros, os textos verbais e não-verbais, tornando, por sua vez, o enredo fílmico dotado de uma linguagem própria, abordando e problematizando temáticas de cunho social, cultural, histórico, político. Nesse sentido, investiga-se, neste artigo, a representação das personagens femininas negras na obra fílmica Filhas do Vento (2004), primeiro longa-metragem do cineasta mineiro Joel Zito Araújo. Tal objetivo foi delineado a partir do seguinte problema: de que modo as personagens femininas são representadas na obra? Hipoteticamente, acredita-se que os modos de representação da mulher negra, na obra em análise, ora subvertem os estereótipos cristalizados sobre ela, ora acabam por reproduzi-los, reforçando-os. Para tanto, a tessitura das discussões perpassa as considerações acerca da sétima arte e sua caracterização em Martin (2013), Aumont (1995); do Cinema Novo, com as proposições de Gomes (1980), Ramos (2000), Xavier (1983); e do Cinema Negro, pelas ideias propostas em Prudente (2018, 2019), Rocha (1963); a despeito da representação e imagens de sujeitos negros, ancora-se em hooks (2019), Hall (2016), dentre outras. No filme em análise, o cineasta problematiza que, ao tempo que se busca desmistificar os estereótipos, revela-se, que a mídia, de certo modo, maquila o protagonismo dessas mulheres, mascarando, negando a existência dos paradigmas que estruturam as relações entre brancos e negros.

Biografia do Autor

Risoleta Viana de Freitas, Universidade Federal do Piauí - UFPI Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Professora Substituta da Universidade Estadual do Maranhão – UEMA, Campus Caxias. Doutoranda em Literatura pela Universidade Federal do Piauí – UFPI. Mestra em Letras pela Universidade Estadual do Piauí. Especialista em Literatura e Ensino e Graduação em Letras / Português, ambas titulações pela Universidade Estadual do Maranhão. É integrante do Grupo de Pesquisa Teseu, o labirinto e seu nome (UFPI) e do Grupo Americanidades: lugar, diferença e violência.

Referências

AUMONT, J. et. al. A estética do filme. Tradução: Marina Appenzeller. Campinas: Papirus, 1995. Disponível em: https://docer.com.ar/doc/5nlev. Acesso em: 02 jul. 2020.

BECK, C. G., & CUNHA, L. H. H. As múltiplas faces da comodificação e a constituição da crítica acerca das práticas de consumo contemporâneas. Ciências Sociais Unisinos, v. 53, n. 1, p. 136-147, 2017. Disponível em: http://revistas.unisinos.br/index.php/ciencias_sociais/article/view/12234. Acesso em: 20 fev. 2020.

BUENO, Winnie. Imagens de controle: um conceito do pensamento de Patricia Hill Collins. Porto Alegre: Zouk, 2020.

DESBOIS, L. A Odisseia do Cinema Brasileiro: da Atlântida a Cidade de Deus. Tradução: Julia da Rosa Simões, 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

FLORÊNCIO, T. Corpo negro-africano no cinema de Glauber Rocha (parte 1), 2014. Disponível em http://ficine.org/corpo-negro-africano-no-cinema-de-glauber-rocha-parte-1/. Acesso em: 10 set. 2020.

GAUDREAULT, A. JOST, F. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

GOMES, P. E. S. Cinema: trajetória no subdesenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução: Daniel Miranda e William Oliveira. Rio de Janeiro. Ed. PUC-Rio, 2016.

HOOKS, B. Olhares negros: raça e representação. Tradução: Stephanie Borges. São Paulo: Elefante, 2019.

MARTIN, M. A linguagem cinematográfica. São Paulo: Brasiliense, 2013.

MUNANGA, K; GOMES, N. L. O negro no Brasil de hoje. 2. ed. São Paulo: Global, 2016.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil – Identidade nacional versus Identidade Negra. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

QUEIROZ, R. O Quinze. 74. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2004.

PESSOA, C. E. C. Meu nome não é “Offred”: um estudo sobre literatura, cinema e identidade. 2017. 119 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2017.

PIRES, S. S. A hora e a vez de Augusto Matraga: do universo rosiano à adaptação fílmica de Vinícius Coimbra. 2020. Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual do Piauí, Teresina, 2020.

PRIDENTE, C. L. A dimensão pedagógica do cinema negro: a imagem de afirmação positiva do íbero-ásio-afro-ameríndio. Extraprensa, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 6-25, jul./dez. 2019. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/extraprensa/article/view/163871. Acesso em: 02 set. 2020.

PRUDENTE, C. L. A dimensão pedagógica do cinema negro: uma arte ontológica de afirmação positiva do íbero-ásio-afro-ameríndio: a origem do cinema negro e sua dimensão pedagógica. In: PRUDENTE, C. L; SILVA, Dacirlene Célia (org.). A dimensão pedagógica do cinema negro: aspectos de uma arte para a afirmação ontológica do negro brasileiro: o olhar de Celso Prudente. Curitiba: Prisma, 2018. p. 67-109.

RAMOS, G. Vidas Secas. Rio de Janeiro: Editora Record, 1998.

RAMOS, F. P. Breve panorama do Cinema Novo. Revista Olhar, n. 4, dez. 2000. Disponível em: http://www.ufscar.br/~revistaolhar/pdf/olhar4/Fernao_Ramos.pdf. Acesso em: 06 set. 2020.

ROCHA, G. Revisão Crítica do Cinema Brasileiro. Disponível em: https://cinemaeliteraturaufsc.files.wordpress.com/2012/03/rocha-glauber-revisc3a3o-crc3adtica-do-cinema-brasileiro.pdf. Acesso em: 12 set. 2020.

XAVIER, I. Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Brasiliense, 1983.

REFERÊNCIAS AUDIOVISUAIS

O QUINZE. Direção e produção: Jurandir Oliveira. Menescal Produções e Peteka Production, 2004. Brasil. 100min. https://youtu.be/Uu1i1U4EiPc. Acesso em: 15 set. 2020.

VIDAS SECAS. Direção: Nelson Pereira do Santos. Produção: Herbert Richers, Luiz Carlos Santos, Danilo Trelles, 1963. Brasil. 99min. https://youtu.be/m5fsDcFOdwQ. Acesso em: 16 set. 2020.

BARRAVENTO. Direção: Glauber Rocha. Produção: Rex Schildler e Braga Neto, 1962. Brasil. 77min. https://youtu.be/18z3Ppo9lSw. Acesso em: 15 set. 2020.

O LEÃO DE SETE CABEÇAS. Direção: Glauber Rocha. Produção: Claude-Antoine, Gianni Barcelloni, 1972. França. 94min. https://youtu.be/rj1JyjiHqn4. Acesso em: 20 set. 2020.

RIO, 40° GRAUS. Direção: Nelson Pereiras dos Santos, 1955. Brasil. 91min. https://youtu.be/mutKYwMc-Jg. Acesso em: 19 set. 2020.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

FREITAS, R. V. de. Mulheres de Joel Zito Araújo: subversão ou reprodução de estereótipos?. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 93–112, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27748. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27748. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS