VISITA A UM ESPAÇO NÃO FORMAL DE APRENDIZAGEM NO ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESTUDO DE CASO A PARTIR DE INDICADORES DE PENSAMENTO COMPLEXO

Diego Machado Ozelame, João Bernardes da Rocha Filho

Resumo


Nesta pesquisa analisamos a contribuição que uma visita a um espaço não formal de aprendizagem pode proporcionar para a construção do conhecimento no ensino de Ciências em um grupo de estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental. O objetivo foi compreender como esta visita pôde contribuir para a construção de elementos de pensamento complexo a partir do tema fauna. A abordagem da pesquisa foi qualitativa, com metodologia de pesquisa com características de estudo de caso. Os procedimentos e instrumentos para coleta de dados consistiram registro do diário de classe, questionários e confecção desenhos. Todos os dados coletados na investigação foram submetidos à análise textual discursiva. Adotamos indicadores a priori de elementos de pensamento complexo para determinar em que medida poderia ser afetada à evolução das concepções dos estudantes sobre o tema estudado antes e após a visita. Os resultados obtidos apontaram que a visita ao espaço não formal foi determinante para a evolução das concepções dos estudantes com características dos indicadores de elementos do pensamento complexo.

 


Palavras-chave


Ensino de ciências; Espaço não formal de aprendizagem; Pensamento complexo.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Faz Ciência


ISSN 1677-0439 (versão impressa) – ISSN 1983-148X (versão eletrônica)

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Francisco Beltrão

Rua Maringá, 1200 - Bairro Vila Nova

Francisco Beltrão – Paraná - CEP: 85605-010

revista.fazciencia@unioeste.br |