A ORIENTAÇÃO SEXUAL NO CURRÍCULO ESCOLAR: PERSPECTIVAS E DIFICULDADES

Andréa Cristina Martelli

Resumo


O presente artigo tem o propósito de analisar a inclusão da temática “Orientação Sexual” no currículo
oficial na década de noventa, bem como conhecer as dificuldades mais recorrentes entre os professores dos
primeiros anos do ensino fundamental, no trato deste tema. Para alcançarmos o objetivo proposto, analisamos
os pressupostos teórico-metodológicos do referido tema transversal apresentados nos Parâmetros Curriculares
Nacionais, tendo como base a leitura de alguns teóricos como Foucault (2005), Freud (2002), Guimarães (1995),
os dados empíricos e as experiências docentes acerca do tema. Os dados empíricos têm como fontes questionários,
com questões abertas, utilizados como instrumentos de pesquisa qualitativa, e aplicados junto a quarenta e
quatro professores da rede municipal de ensino de Cascavel - Paraná. No decorrer do texto, as respostas mais
recorrentes, resultantes das análises dos questionários serão destacadas em itálico. Comparando o enunciado
nos PCNs com as respostas dos professores, constatamos que, ainda, há uma lacuna significativa entre o
oficial e o real. Embora, a abordagem apresentada pelo referido documento seja passível de inúmeras críticas.
A partir disso, percebemos que a ação docente não se orienta exclusivamente pelos documentos oficiais,
pautando-se antes no processo de formação e nas experiências sociais precedentes ao exercício da profissão.

Palavras-chave


Sexualidade; Professor; PCN´s.

Texto completo:

PDF


Direitos autorais