A percepção dos gestores das escolas de ensino médio em Fortaleza sobre a importância da educação física como componente curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27514

Palavras-chave:

Gestores, Educação Física, Ensino Médio.

Resumo


INTRODUÇÃO: A Educação Básica no Brasil passou por momentos bem conturbados durante a década de 2010. Dentre esses momentos pode-se destacar a evolução da MP n° 746/2016 para a Lei 13.415/2017 e a instituição do Novo Ensino Médio. A partir desta Lei, a Educação Física (EF) poderia ser excluída do rol de disciplinas curriculares obrigatórias da Educação Básica. Em meio a esse cenário, vários movimentos foram realizados para manter a EF como obrigatória na etapa do Ensino Médio na escola. 
OBJETIVO: Verificar a percepção dos gestores de escolas de ensino médio, pertencentes a rede pública do estado do Ceará, sobre a importância das aulas de EF.  
MÉTODOS: O estudo caracteriza-se como uma pesquisa de campo e exploratória, com caráter transversal quanti-qualitativo, com a aplicação de um questionário do tipo Likert, com itens de múltipla escolha acerca de cada pergunta, variando as opções entre “discordo total”, “discordo parcialmente”, “concordo parcialmente” e “concordo totalmente”.  Participaram do estudo gestores de escolas regulares e profissionalizantes. A amostra do estudo foi composta por 40 gestores de escolas regulares e de tempo integral de um total de 119 escolas, perfazendo 33% das escolas elencadas como público para o atual estudo. A coleta de dados ocorreu dentre os anos de 2018 e 2019. 
RESULTADOS: Foi achado que os gestores consideram a EF como importante à formação integral do estudante (92,5%), que a carga horária semanal deveria ser aumentada (62,5%) e que a disciplina contribui para uma melhoria da prática de atividade física dos estudantes. 
CONCLUSÃO: A partir da percepção dos gestores das escolas estaduais da cidade de Fortaleza (CE), o componente curricular EF é importante para a formação dos estudantes. Bem como, eles consideram que a carga horária da disciplina poderia ser aumentada por conta da importante influência da disciplina sobre a prática de atividade física.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Bastos Moreno, Centro Universitário UniFanor (UniFanor)

Mestre em Atividade Física e Saúde (FADEUP-PT); 

Especialista em Artes Marciais, Esportes de Combate e Lutas (UECE) e Especialista em Fisiologia e Biomecânica dos Movimentos (FIC-CE);

Licenciatura Plena em Educação Física;

Coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Física e Ensino Médio - LEPEFEM;

Componente do Grupo de Pesquisas em Artes Marciais, Esportes de Combate e Lutas - GAMA.

Professor de Educação Física da Educação Básica vinculado à SEDUC-CE;

Professor universitário de Educação Física.

César Augusto Barroso de Andrade, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Especialista em Educação Física Escolar;

Docente da Universidade Regional do Cariri - Iguatu (CE).

Referências

ARAÚJO, G. M.; MOURA, T. N. B. A divisão de gênero nas aulas de educação física. Revista Form@ re-Parfor, Teresina, v. 4, n. 1, p. 18-21, 2016.

BRASIL. Lei nº 10.328, de 12 de dezembro de 2001. Introduz a palavra “obrigatório” após a expressão “curricular”, constante do § 3° do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília/DF, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10328.htm. Acessado em: 05 de abril de 2021

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília/DF, 2016. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/2016/medidaprovisoria-746-22 setembro-2016-783654-publicacaooriginal-151123-pe.html. Acessado em: 10 de março de 2021

BRASIL. Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acessado em: 30 de junho de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei De Diretrizes e Bases da Educação – LDB - Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Governo Federal, Ministério da Educação, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em: 10 de março de 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Educação Física, Brasília: MEC, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio), Brasília: MEC, 2000. Disponível em: Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/BasesLegais.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

CARRANO, P. Um “novo” ensino médio é imposto aos jovens no Brasil. Anped, 2017. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/um-novo-ensino-medio-e-imposto-aos-jovens-nobrasil. Acessado em: 30 de setembro de 2018

CEARÁ. Secretaria da Educação. Metodologias de Apoio: matrizes curriculares para ensino médio. – Fortaleza: SEDUC, 2009. (Coleção Escola Aprendente - Volume 1). Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2010/05/livro_matrizes_curriculares.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

DARIDO, S. C.; DINIZ, I. Educação física no ensino médio: luxo ou necessidade. Rio Claro: Unesp, 2016.

FERNANDES, A.; RODRIGUES, H. A.; NARDON, T. A. A inserção dos conteúdos de Educação Física no ENEM: entre a valorização do componente curricular e as contradições da democracia. Motrivivência, Florianópolis, v. 25, n. 40, p. 13-24, 2013.

GASPAROTTO, G. S.; BICHELS, A.; SZEREMETA, T. P.; VAGETTI, G. C.; OLIVEIRA, V. Desempenho acadêmico de estudantes do ensino médio associado a aspectos psicológicos, práticas corporais e atividade física. Journal of Physical Education, Maringá, v. 31, e3137, 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Pesquisa nacional de saúde do escolar: 2015. Rio de Janeiro, IBGE, 2016. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/educacao/9134-pesquisa-nacional-de-saude-do-escolar.html?=&t=o-que-e. Acessado em: 10 de março de 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas Sociais. Falta de tempo e de interesse são os principais motivos para não se praticar esportes no Brasil. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/15128-falta-de-tempo-e-de-interesse-sao-os-principais-motivos-para-nao-se-praticar-esportes-no-brasil. Acessado em: 12 de outubro de 2020.

KNUTH, A.; LOCH, M. “Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa”? Um ensaio sobre educação física e saúde na escola. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Florianópolis, v. 19, n. 4, p. 429-40, 2014.

LÜCK, H. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, v. 1, 2009.

MARTINS, R. M.; FERREIRA, D. A.; POMPEU, M.; SILVA, M. E. H. Análise da matriz curricular de educação física para o ensino médio do estado do Ceará: um olhar sobre a organização curricular. Motriz, Rio Claro, v. 21, Suplemento I, p. S189, 2015

MATTOS, M. G.; NEIRA, M. G. Educação física na adolescência: construindo o conhecimento na escola. São Paulo: Phorte, 2013.

MOLINA NETO, V.; FONSECA, D. G.; OLIVEIRA, L.; LOPES, R. A.; WITTIZORECKI, E. S. Educação física no ensino médio ou para entender a era do gelo. Motrivivência, Florianópolis, v. 29, n. 52, p. 87-105, 2017.

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 40, n. 3, p. 215-23, 2018.

RIGO, L. C.; SANTOLIN, C. B. Combate à obesidade: uma análise da legislação brasileira. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 279-96, 2012.

RUFINO, L. G. B.; SOUZA NETO, S. Saberes docentes e formação de professores de educação física: análise da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na perspectiva da profissionalização do ensino. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 48, p. 42-60, 2016.

SANTOS, N.; SANTOS, A. D.; RODRIGUES, A.; ASSIS, M.; NASS, P.; CAPRARO, A. Gêneros e educação física escolar: notas gerais sobre a formação cultural no decorrer da história. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 12, p. 112, 2007. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd112/generos-e-educacao-fisica-escolar.htm. Acessado em: 30 de junho de 2021.

SANTOS, O. J. G.; SILVA, M. C. Teoria e prática: as implicações nas aulas de educação física escolar. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 17, n. 170, 2012. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd170/teoria-e-pratica-nas-aulas-de-educacao-fisica.htm. Acessado em: 05 de abril de 2021.

SEDUC. Secretaria da Educação do Estado do Ceará. Resolução Nº 412/2006. Dispõe sobre o tratamento a ser dado à Educação Física nos currículos das escolas de educação básica. Fortaleza, CE, 21 jun. 2006. Seção 1, p. 01-06. Disponível em: https://www.cee.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/49/2011/08/RES-0412-2006. Acessado em: 30 de junho de 2021.

SEVERINO, C. D.; SILVA, B. M. Educação física escolar e a promoção da saúde: um ponto de vista. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 12, n. 2, p. 77-86, 2014.

SILVA ILHA, F. R.; KRUG, H. N. As contribuições da gestão escolar para o desenvolvimento profissional de professores de educação física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 7, n. 13, p. 9-17, 2008.

SILVA JÚNIOR, S. D.; COSTA F. J. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas de Likert e Phrase Completion – PMKT. Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, São Paulo, v. 15, p. 1-16, 2014.

WHO. World Health Organization. World Health Statistics 2018: Monitoring health for the SDGs. Geneva: 2018. Disponível em: https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2018/en/. Acessado em: 30 de junho de 2021.

Downloads

Publicado

01.09.2021

Como Citar

MORENO, D. B.; ANDRADE, C. A. B. de; ALVES, M. E. C.; RODRIGUES, L. C. A percepção dos gestores das escolas de ensino médio em Fortaleza sobre a importância da educação física como componente curricular. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 59–64, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27514. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27514. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade