Contextualizações estéticas e históricas em Mulheres de cinzas de Mia Couto

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i1.23020

Palavras-chave:

Identidades, Cultura, Modo de narrar.

Resumo


Neste estudo apresento um recorte do romance Mulheres de Cinzas, do escritor moçambicano Mia Couto apresentando seu modo de narrar capaz de construir personagens com identidades em deslocamentos constantes. Isso traz à tona reflexões quanto à emergência de hibridismos em momentos de transformação histórica como o que ocorre na narrativa. Os aspectos identitários das personagens levam a refletir acerca do processo de construção do indivíduo, em que a relação que ele estabelece com a sociedade e com sua identidade, mesmo que na busca pela definição dela, é mediada pela cultura. Ao colocar cada sujeito num local em que já está inserido seja pelo vínculo de nascimento ou de identificação os coloca também entre dois mundos sem saber qual é o seu lugar nem quais são suas identidades nessa fronteira. Pelo fato dos deslocamentos irem além do geográfico, o conceito de subjetividade desterritorializada está presente na obra como deslocamento do eu, do indivíduo que emigra para outro país e precisa assumir o modo de vida daquele povo. Isso, porém, acontece até certo ponto, pois esse indivíduo não aceita essa unicidade que a cultura do outro lhe impõe e busca se compor enquanto ser singular num movimento de desterritorialização e reterritorialização.

Biografia do Autor

Cleonice Alves Lopes Flois, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Mestra em Letras pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE (2018). Membro do Grupo de Pesquisas Confluências da Ficção, História e Memória na Literatura e nas Diversas Linguagens. Mediadora do Clube de Leitura Leia Mulheres Toledo/PR. Membro do Mulherio das Letras nacional e do Paraná. Pós-graduada em Literatura Contemporânea pelo Centro Universitário Barão de Mauá de Ribeirão Preto/SP (2012) e em Didática e Metodologia do Ensino pela UNIVALE/ESAP do Vale do Ivaí (2010). Licenciada em Língua Inglesa pelo Programa Especial de Formação Pedagógica pela UTFPR (2008). Bacharela em Secretariado Executivo Bilíngue pela UNIOESTE (2002). Pesquisadora das temáticas: literatura e feminismo, coletivos de mulheres no âmbito da leitura e da escrita, leitura e mediação, identidade e resistência, literaturas africanas e afro-brasileira, literatura brasileira contemporânea.

Referências

ASHCROFT, B., GRIFFITHS, G., TIFFIN, H. The Empire Writes Back: Theory and Practice in Post-Colonial Literatures. London: Routledge, 1991.

AUGÉ, Marc. Não-lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: J. Zahar. 2005.

BAUDELAIRE, Charles. Exposição Universal (1855). In.: Poesia e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1995.

BERND, Zilá. Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1987.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, (Coleção Humanitas), 2005.

BONNICI, Thomas. Multiculturalismo e diferença: narrativas do sujeito na literatura negra britânica e em outras literaturas. (Org.). Maringá: Eduem. 2011.

BOOTH, Tony. Psicologia do crescimento em sociedade. Rio de Janeiro: Zahar. 1976.

CLIFFORD, James. Culturas Viajantes. São Paulo. Papirus Editora. 2000.

COUTO, Mia. Mulheres de Cinzas: as areias do imperador: uma trilogia moçambicana, Livro 1. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

COUTO, Mia. Sombras Da Água: as areias do imperador: uma trilogia moçambicana, Livro 2. 1ª ed. São Paulo: Companhia das Letras. 2016.

DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1997.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. V.1. Trad. Aurélio Guerra neto e Celia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995a.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. V. 2. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Claúdia Leão. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995b.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e esquizofrenia. V. 3. Trad. Aurélio Guerra Neto, Ana Lúcia de Oliveira, Lúcia Claúdia Leão e Suely Rolnik. Rio de Janeiro: Ed 34, 1996.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. São Paulo: Escuta, 1998.

EWALD, Ariane Patrícia; SOARES, Jorge Coelho. Identidade e subjetividade numa era de incerteza. Rev. Estudos Psicologia em Estudo, V.12. N.1, p. 23-30. 2007.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. São Paulo: Civilização Brasileira, 2ª edição, 1979.

GEERTZ, Cliford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 1989.

GLISSANT, Édouard. Introdução a uma poética da diversidade. Trad. Enilce Albergaria Rocha. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

GRUZINSKI Serge, La colonisation de l’imaginaire. Sociétés indigènes et occidentalisation dans le Mexique espagnol XVI-XVIII siècle. Paris: Gallimard, 1988.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Trad. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Claúdia Leão. São Paulo: Ed. 34, 1992.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica: Cartografia do desejo. Petropólis: Vozes, 1996.

GUPTA, Akhil; FERGUSON, James. Mais além da cultura: espaço, identidade e política da diferença. In: ARANTES, Antônio (Org.). O espaço da diferença. Campinas: Papirus, 2000. 30-49.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Trad. Adelaine La Guardia Resende, Ana Carolina Escosteguy, Cláudia Álvares, Francisco Rudiger, Sayonara Amaral. 2ª reimpressão revista. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2008.

HANCIAU, Nubia Jacques. O Entre-Lugar. In: FIGUEIREDO, E. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora. Editora UFJF/Niterói: EdUFF, 2005, p. 215-141.

HISSA, Cássio Eduardo Viana; GUERRA, Luciana Cristina de Oliveira. Espaço e modernidade: reconstruindo identidades urbanas. Caderno de Geografia, Belo Horizonte, v. 12, n. 19, p. 63-73, 2. sem. 2002.

ORTIZ, Fernando. Contrapunteo cubano del tabaco y el azúcar. Havana: ed. Ciencias Sociales, 1991.

ORTIZ, Fernando. Mundialização e cultura. São Paulo: Brasiliense, 2003.

ROBIN, Régine. Le roman mémoriel: de l’histoire à l’écriture du hors-lieu. Montréal: Éditions du Préambule, 1989.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro: Ed, Rocco, 2000.

SANTOS, Boaventura de Souza. Modernidade, identidade e a cultura de fronteira. Tempo Social; Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 5(1-2): 31-52, 1993 (editado em nov. 1994).

SANTOS, Boaventura de Souza. Os processos da globalização. In: Boaventura de Souza Santos (Org.), A globalização e as Ciências Sociais. São Paulo: Cortez. 2002.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: EDUSP, 2002a.

SARTRE, Jean-Paul. O ser e o nada: ensaio de ontologia fenomenológica. Petrópolis: Vozes. 1997.

SECCO, Carmen Lucia Tindó Ribeiro. Mia Couto e a incurável doença de sonhar. In: SEPÚLVEDA, Maria do Carmo; SALGADO, Maria Teresa (Org.). África e Brasil: letras em laços. Rio de Janeiro: Atlântica, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2003.

SITES CONSULTADOS

BRITO, Maria dos Remédios de. Dialogando com Gilles Deleuze e Félix Guattari sobre a ideia de subjetividade desterritorializada. Revista Alegrar nº09 - jun/2012. <http://www.alegrar.com.br/revista09/pdf/dialogando_com_gilles_maria_brito_alegrar9.pdf>. Acesso em: 15 de novembro de 2017.

VIOLA, Kamille. 'As Vozes Femininas de Mia Couto'. Entrevista. Revista Vertigem. 2015. Disponível em: <http://www.revistavertigem.com/2015/11/21/as-vozes-femininas-de-mia-couto/>. Acesso em 22 de dezembro de 2017.

Downloads

Publicado

09-04-2020

Como Citar

ALVES LOPES FLOIS, C. Contextualizações estéticas e históricas em Mulheres de cinzas de Mia Couto. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 1, p. 332–353, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i1.23020. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23020. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA