A escrita autobiográfica feminina na educação de jovens e adultos da UFMG: subjetividade e memória

Autores

Palavras-chave:

Educação de jovens e adultos, Gênero, Escrita, Memória.

Resumo


O presente artigo apresenta reflexões sobre o ensino do gênero literário escrita autobiográfica em sala de aula e mostra como essa prática pode possibilitar o trabalho com discussões sobre as questões sociais, gênero e raça no PROEMJA do Centro Pedagógico, UFMG. Para isso, buscamos, a partir de obras das escritoras Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo, práticas de escrita autobiográficas que trouxessem a perspectiva literária feminina da “escrevivência” (EVARISTO, 2017). Contamos com o apoio teórico de autores como FREIRE (1979), FERRARO (2010), FERREIRA (2015), GOMES (2011) e LEJEUNE (2008), entre outros. O objetivo é pesquisar o lugar da escrita feminina problematizando questões tais como gênero, classe, raça/cor, e entender como elas estão presentes na tessitura dos textos da perspectiva dos estudos sobre interseccionalidade (CRENSHAW, 2002) destes marcadores de diferença. A perspectiva metodológica desse estudo consiste em uma pesquisa qualitativa com base na aplicação de questionários, realização de sequências didáticas em sala de aula e trabalho de campo, com imersão etnográfica. Neste texto, trazemos as análises iniciais das histórias de vida contadas pelas educandas em seus textos autobiográficos. 

Biografia do Autor

Miria Gomes de Oliveira, UFMG

Escritora, poeta, professora e pesquisadora do Nera - Núcleo de Estudos Raciais e Ações Afirmativas da UFMG

Maria Marlete de Souza, Promestre-UFMG

Escritora e pesquisadora do Nera - Núcleo de Estudos Raciais e Ações Afirmativas da UFMG

Referências

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Parâmetros Nacionais Curriculares- Terceiro e quarto ciclo do Ensino Fundamental - língua portuguesa. Brasília – MEC, 1998. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/portugues.pdf. Acesso em 17/12/2019.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, 10(1), 171-188, 2002.

EVARISTO, Conceição. O entrecruzar das margens – gênero e etnia: Apontamento sobre a mulher negra na sociedade brasileira. In: A escritora Afro-Brasileira: Ativismo e Arte Literária, 2016.

EVARISTO, Conceição. Poemas de recordação e outros movimentos. Rio de Janeiro: Malê, 2017.

FERRARO, Alceu Ravanello. Escolarização no Brasil: articulando as perspectivas de gênero, raça e classe social. Educação e Pesquisa, UFRGS, v. 36, n. 2, mai/ago. 2010, pag. 505 - 526. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ep/v36n2/a06v36n2.pdf. Acesso em 13/02/2018

FERREIRA, A. J. Letramento racial critico através de narrativas autobiográficas: com

atividades reflexivas. Ponta Grossa, PR: Editora Estúdio Texto, 2015.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 6 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

GOMES, Nilma Lino. Educação de jovens e adultos e questão racial: algumas reflexões iniciais. In

SOARES, L.,GIOVANETTI, M. A. G. de C., GOMES, N.L. (org). Diálogos na educação de jovens e adultos. Belo Horizonte: autêntica, 2011.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de Despejo: Diário de uma favelada. São Paulo: Ática. 2000.

KATO, Mary A. No mundo da escrita, uma perspectiva psicolinguística. São Paulo: Ática, 1986.

LEJEUNE, Philippe, O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2008.

OLIVEIRA, Míria Gomes de. Interação, utopia e a construção

de uma escola inclusiva. Alfa, São Paulo, v. 58, n. 3, p. 571-59, 2014.

OLIVEIRA, Míria Gomes de. RACIAL EDUCATION IN BRAZILIAN CHILDREN´S LITERATURE TEACHING. International Journal for Innovation Education and Research, v. 7, n. 7, p. 147-159. https://doi.org/10.31686/ijier.Vol7.Iss7.1591.

PASSEGGI, M. C. y SOUZA, E. C. O Movimento (Auto) Biográfico no Brasil: Esboço de suas Configurações no Campo Educacional. Revista Investigación Cualitativa, v. 2, n. 1, p. 6-26. 2017. DOI: http://dx.doi.org/10.23935/2016/01032.

RELATÓRIO Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos. – Brasília: UNESCO, 2010. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000188644. Acesso em 14/11/2019.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

STREET, B. V. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnografia e na educação. Trad.: Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

Downloads

Publicado

26-12-2019

Como Citar

OLIVEIRA, M. G. de; SOUZA, M. M. de. A escrita autobiográfica feminina na educação de jovens e adultos da UFMG: subjetividade e memória. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 3, p. 136–151, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/23616. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Identidades sociais de raça em livros didáticos e narrativas autobiográficas