Às novas magras: a reconstrução identitária de mulheres que se submetem à cirurgia de redução de estômago

Rogério José de Almeida

Resumo

No mundo contemporâneo, o peso corporal além dos padrões ratificados pela ciência como normais passa a ser considerado como uma doença crônica. Entretanto, a obesidade severa não se configura somente como um sério problema de saúde, pois é fato que as pessoas avaliam a própria imagem corporal em função de normas sociais e culturais de saúde e estética. Com o advento da cirurgia de redução de estômago, indivíduos outrora obesos severos, num curto período de tempo, passam a ser enquadrados como fisicamente aceitáveis pela sociedade. A pesquisa para esse trabalho foi realizada a partir de visitas de campo a um hospital privado da cidade de Goiânia e de entrevistas com mulheres submetidas à cirurgia de redução de estômago. O objetivo do trabalho foi compreender a identidade social da mulher com obesidade severa e da mulher não mais obesa severa após a gastroplastia, ou seja, como se configura o processo de reconstrução identitária dessas mulheres que se submeteram à cirurgia.

Palavras-chave

ESTIGMA; IDENTIDADE SOCIAL; MULHERES.

Texto completo:

PDF